quinta-feira, 29 de maio de 2008

O Portugal em que vivemos hoje

De autor desconhecido, retirado do Miradouro .

Uma adolescente de 16 anos pode fazer livremente um aborto mas não pode por um piercing.
Um cônjuge para se divorciar, basta pedir;
Um empregador para despedir um trabalhador que o agrediu precisa de uma sentença judicial que demora 5 anos a sair.
Na escola um professor é agredido por um aluno. O professor nada pode fazer, porque a sua progressão na carreira está dependente da nota que dá ao seu aluno.
Um jovem de 18 anos recebe €200 do Estado para não trabalhar; um idoso recebe de reforma €236 depois de toda uma vida do trabalho.
Um marido oferece um anel à mulher e tem de declarar a doação ao fisco. O mesmo fisco penhora indevidamente o salário de um trabalhador e demora 3 anos a corrigir o erro.
O Estado que gasta 6 mil milhões de euros no novo Aeroporto recusa-se a baixar impostos porque não tem dinheiro.
Nas zonas mais problemáticas das áreas urbanas existe 1 polícia para cada 2.000 habitantes; cada Ministro tem 4 polícias guarda-costas; o Governo diz que não precisa de mais polícias.
Numa empreitada pública, os trabalhadores são todos imigrantes ilegais que recebem abaixo do salário mínimo e o Estado não fiscaliza.
Num café, o proprietário vê o seu estabelecimento ser encerrado só porque não tinha uma placa a dizer que é proibido fumar.
Um cão ataca uma criança e o Governo faz uma lei.
Um professor é sovado por um aluno e o Governo diz que a culpa é de causas sociais.
O IVA de um preservativo é 5%. O IVA de uma cadeirinha de automóvel, obrigatória para quem tem filhos até aos 12 anos, é 21%.
Numa entrevista à televisão, o Primeiro-Ministro define a Política como 'A Arte de aprender a viver com a decepção'.
Estaremos, como Portugueses, condenados a aprender a viver com este Primeiro-Ministro?

4 comentários:

Joana Dalila Santos disse...

Bom fim de semana*

Boris disse...

Pata Negra, Pata Negra
anda o Portugal virado
porque nada tem trambelho com o fado malfadado.

Este PM é um colosso
e a Manela pior é
pior ainda é o Portas
e a esquerda que engana o Zé.

Anda tudo a enganar
o pobre povo a sofrer
que já não tem de comer
por não ter p´ra trabalhar.

E quem trabalha com fome
produtividade não dá
Pata Negra, Pata Negra
só p´ros ricos há maná.

Pata Negra, Pata Negra
não devemos nos esconder
vem para a rua comigo
vamos lutar a valer.

Compadre Alentejano disse...

Às vezes tenham dúvidas que vivo em Portugal. Estarei a viver um sonho? Os políticos portugueses serão assim tão maus, ou melhor, péssimos?
Suponho que sim!!!
Um abraço
Compadre Alentejano

pé-de-salsa disse...

Em resposta ao último parágrafo:
Não creio.