quarta-feira, 6 de novembro de 2013

8- A fábrica de Zé Coxo

O Zé Coxo, na voz do povo, era corno da sua própria cunhada. O Zé Coxo e os que dormiam com ele não iam à Missa. O padre bem tinha falado do alto do altar em avisos do Alto e em eventuais castigos. Pois não é que Zé Coxo tinha escrito no destino a sina da desgraça!
As bocas das barcas (as tais de que se chegou a pensar terem engolido o desaparecido Laurindo) onde se despejava a resina estavam sempre abertas. O trabalho de Zé Coxo, e de mais meia dúzia, era o de com a ajuda de ferramentas adequadas, sacar, através das bocas localizadas no dorso dos barris, a resina viscosa, para as barcas. Este trabalho era feito com os pés um metro abaixo do nível do estaleiro em cujo pavimento estavam abertas as bocas para a descarga. Zé Coxo, como os companheiros, repetia isto muitas vezes ao dia, subia os cinco degraus para o parque onde estavam os barris e rebolava um para a sua boca de serviço.
Foi numa dessas repetidas manobras que a perna que lhe falhava o atirou em desequilíbrio para dentro da sua boca de trabalho. Os colegas prontamente acorreram para lhe dar a mão enquanto ele se afundava na resina branca. A mão escapou-se. Deram-lhe à mão um cabo de ferramenta mas, como o diabo lha fizesse soltar, viram-no afundar-se e desaparecer como nos filmes se vêem as cenas nas areias movediças. Naturalmente, seguiu-se o pânico. Nada a fazer. A resina saía da barca por uma torneira de mais de dez polegadas mas, esvaziá-la, demoraria dias, além dos grandes prejuízos que acarretaria. Talvez os bombeiros tivessem bombas que fizessem o transvaze para a outra barca que estava quase vazia! E assim foi, durante o resto do dia e noite fora até que o corpo do pobre se distinguiu no fundo do tanque enlameado de resina.
Não existiam posses que possibilitassem que o corpo de Zé Coxo fosse transportado para a sua Beira Baixa para aí descansar em paz. Um grupo de rapazes foi buscar a carreta ao cemitério que distava dali quatro quilómetros. Deixaram-me ir também. O defunto foi a enterrar entre os ais de Canicha, as lágrimas de Laurinda, os soluços de Laurindo, os lamentos dos colegas de trabalho e o acompanhamento de toda a aldeia. Registe-se que a ausência do padre, que se recusou a fazer a cerimónia religiosa, não impediu o cortejo de todo o povo crente para encomendar a alma do desgraçado. Comentou-se até, em provocatórias conversas de insubmissão à Católica e Apostólica Romana, que Zé Coxo se estaria nas tintas para isso. Aliás, fora ele, que em brincadeiras de desejos de “quando eu morrer” dizia:
- Quando for eu façam um churrasco com a minha carne e não esqueçam que ela já vai temperada com vinho!
Entre os homens que ficaram à porta do espaço onde se fez o velório, largaram-se até umas gargalhadas quando alguém disse:
- Nem calculam o trabalho que deu lavar o Coxo coberto de resina, gastámos mais de um bidão de água rás! Ná! Mesmo grelhado, o corpo iria sempre saber a resina!
E no entanto, apesar destes desabafos, o ambiente era de pesar.
- Era um homem incapaz de fazer mal fosse a quem fosse; era um pobre desgraçado; gostava da pinga mas como dizia “muitos (juntos) bebem mais do que eu!”; podia ter acontecido a qualquer um; não ia à missa – e depois?!
Claro que, entre estas conversas, também surgiam comentários ao futuro incerto de Laurindo; à apetecida Laurinda e à, agora disponível, Canicha. Verdade seja dita, que ficaram por ali duas mulheres, sem homem, expostas às fantasias e às abordagens de homens que nunca teriam pés que substituíssem os calcanhares de Zé Coxo. Ficou também o meu maior amigo que não tardou a provar ao Senhor António que merecia, pelo seu desempenho, umas moedas que dessem para mais do que um copo de laranjada e um pacote de bolacha baunilha.
________________________________
Todas as Quartas há Fábricas
Para as ver todas pressione abaixo "Marcadores - A Fábrica"

20 comentários:

Marreta disse...

Daqui bebo um caneco sem resina à memória do Zé Coxo.
Ou muito me engano ou a Laurinda e a Canicha também irão passar pela pocilga...

Saudações do Marreta.

antonio - o implume disse...

Forma macabra de morrer.

manuel gouveia disse...

O Zé Coxo caiu num caldinho do qual não se conseguiu livrar!

salvoconduto disse...

Paz à sua alma!

André D'Abô disse...

pena que não foi possível fazer o churrasco funeral... maldita resina!

Compadre Alentejano disse...

Certamente que o organismo fiscalizador das condições de trabalho, não fiscalizou essa empresa...o Zé Coxo nunca podia estar a fazer esse serviço...
Um abraço
Compadre Alentejano

alberto cardoso disse...

Olá Majestade.
Várias vezes aqui disse quanto gostava das histórias do "Quarto". Agora que nos oferece as da "Fábrica", atrevo-me a afirmar que destas ainda gosto mais, porque parece que conheci todos os personagens que têm aparecido em cena. O “Zé Coxo”, estimado por todos e que se finou tão estupidamente podia ser da minha aldeia. (O “Coxo” da minha aldeia chamava-se Mário e morreu trucidado por um comboio). Resumindo e concluindo (como sempre diz o meu amigo Carlos) o que pretendo afirmar é que aprecio as sua histórias e gabo-lhe o engenho com que as conta.
O servo,
Alberto Cardoso

SILÊNCIO CULPADO disse...

Pata Negra
A história de Zé Coxo é a história de muitos trabalhadores sem história.
É bom que haja quem fale destas pessoas e da "misericórdia divina" que certos padres assumem como enviados de Deus à Terra.
Comoveu-me a história de Zé Coxo e a forma como a contaste.
Abraço pesaroso

Vasco Lameiras disse...

Pata Negra, estou feliz: SOU PAI!!!
Mas tenho um problema.
Não sei que é a Mãe.
Elas foram tantas!!!
Vasco

O Guardião disse...

Pobre Zé Coxo, o que vale é que enquanto cá andou sempre gozou alguma coisa...
Cumps

polidor disse...

estas histórias podem ter algo de ficção, mas confundem-se proximamente com a realidade passada e actual; ainda há muito disto... e levando a coisa pela graça se diz muito drama...
abraço

Camolas disse...

- Beijos à Canicha e á Laurinda!
Gostei do texto, recordas-me Miguel Torga.

Junta e edita "Contos da Carta..."

Abrações e copos de vinhaça

MARIA disse...

Viva Majestade .
Sem mais palavras : impressionante, arrepiante!
E na busca de termos acabados em ...ante, proponho-lhe algo interessante :
o festival do chocolate de 05 a 15 de Março em Óbidos.
A propósito de chocolate e da sua doce e ternurenta história, pese embora a dureza da mesma, lembrei-me desta que achei gostará também de relembrar :
http://www.youtube.com/watch?v=dLAuf4-a0I4
E depois de tantos (:) 2 pontos usar, digo até mais, com um beijinho sempre amigo, a dobrar
:-)))
E que bem cairia agora um chocolate ...
:-)))
Maria

Nocturna disse...

Majestade,
Tenho andado calada, mas ando por aí. E, à quarta-feira há «Fábrica».Lendo de seguida vários textos das diversas semanas,ficamos com um documento impressionante e literariamente muito belo.
Não vou aconselhar V. Majestade a tentar publicar um livro, pois o meio livreiro conheço-o eu bastante bem e sei como está difícil por estes dias.Mas os textos aí estão, publicados para quem quiser disfrutar deles e aprender um pouco mais acerca de um "certo" Portugal.
Muitos parabéns pela qualidade e obrigada por partilhar esses momentos connosco
Um abraço Nocturno

Anónimo disse...

O Vasco Lameiras é parvo e os outos comentadores também.

alex disse...

Majestade
Quem não conheceu
um Zé Coxo, na vida
não é português com certeza.
Obrigada sempre pela partilha.
abraço
da amiga

quink644 disse...

Aceitam-se palpites…

http://porquemedizem.blogspot.com/2009/03/adivinhaconcurso.html#links

Zorze disse...

Pata Negra, já pensaste em escrever um livro?

Se tivesse uma editora, contratava-te. Mas "ainda" não tenho. Vai-te preparando.

Abraço,
Zorze

Milu disse...

Este post comoveu-me sobretudo quando refere a laranjada e o pacote de bolacha baunilha! Também eu me lembro de o meu pai me levar à taberna, pedia um copo de vinho para ele e outro de laranjada para mim e ficava embevecido a olhar-me enquanto eu bebia a laranjada. Para ele, que não tinha tido nada em criança, um copo de laranjada era uma grande coisa, hoje isto dá-me alguma tristeza, pela miséria que representa. Quanto ao pacote de bolacha baunilha era quase a mesma coisa, quando tinha a sorte de algum me cair nas mãos, parecia-me o fim do mundo! Era como que uma graça de Deus! Hoje que podia comprar e comer quantos pacotes quisesse, não o faço, para não engordar! Mas que ironia!

Olinda disse...

A vida e a morte do Zê Coxo,nao foi nenhuma pera doce.Valeram-lhe os amigos,a Canicha,Laurinda e o seu filho.Hâ quem,nem isso tenha.O diabo do padre,nem por morte tao trâgica,se comoveu.Fez-me lembrar um,que se recusou a dizer missa de corpo presente,porque o defunto era comunista.Ê,por coisas destas,que eu sou ateiinha-da-silva.

Um abraco