domingo, 15 de março de 2009

Chico Doido de Caicó

Chico Doido de Caicó - doido própriamente dito. O Brasil é tão grande que nele até há este chico. Quem é? Se é!... Quem foi? Se foi!... Um poeta raro - uma amostra.

Eu já conheço Chico Doido de Caicó faz uns tempos. Recordei-o (reconhecio-o?) quando um rapaz lá da Terrinha, ajudante de estucador, depois de o cantar, me escreveu este poema em guardanapos. Não o passaria para aqui se fosse fantasia! Não! O rapaz passou mesmo por isto! Honradamente não se envergonha! Canta até a sua desgraça! Conta tudo, fala de tudo mas nunca pronuncia o nome de Letícia senão a cantar!
A Terrinha recebeu com simpatia brasileira a imigração brasileira. Há brasileiros em tudo quanto é restaurante, estação de serviço, funerária, drogaria. A princípio a Terrinha até ganhou cores e alegria mas agora...



Lêtícia
Lêtícia veio cá pará
por anúncio di jornau.
Lêtícia trabalha o ferro,
mostra mama e mostra bunda,
faz di qui faz e não dá,
tem lábio pintado e tau…

Não sei qui viu ela em mim,
si o “Passat”, si o olho verde,
si a unha grande ou quiçá.
Qui mi bróchou à primêra,
mi pôs cara di cavêra,
disfez meu macho e meu pau!

Lêtícia pois mi prendeu
com seu sotaque láscivo,
mi faz pau di sua obra
com sua pele bacalhau.
Mi fez erecto completo,
mi fez cáchorro sem mau!

Chigou tempo em que a moça
mi pidiu a minha mão,
si tornou o meu sustento.
Qui eu contei a minha mãe
qui já tinha profissão
e que ia ter casamento!

Lêtícia si mi enrolou
com sua gente chegada,
fez di mim um próxeneta.
Tratou di toda a papelada,
e quando ficou legau,
nem mamada nem buceta!..

Nunca mais mi fez mais nada,
em três passos mi enfeitou
cum companheiro do brasiu.
De aspecto meio marginau,
si mi atirou tóreando,
pôs-mos e ainda mus partiu!

Sô gora cara de pau,
Sem tesão, discernimento.
Si escrevo assim deste jeito,
Falo português perfeito
e ditesto atendimento
com sotaque brásilero!
(de autor amigo e desconhecido)



racista eu?! só me faltava cá essa!

7 comentários:

alberto cardoso disse...

Poeta du melhó! Fui ispreitá página dele e adorei. Português perfeito ali. Copiei pra vocês um poema que diz:

"Homem com homem
Mulher com mulher
Pessoa com pessoa
Tudo vale a pena
Se a foda não é pequena."

E não há plágio. Pessoa está lá.

Alberto Cardoso

Zé Povinho disse...

Não será António Boto, mas a poesia popular também faz falta em tempos de crise.
Abraço (sem sotaque) do Zé

MARIA disse...

Pobre poeta defraudado pela brasileirinha. Que fazer ? Não há português que resista a uma mulher depilada, sem bigodes e de voz adocicada…Na verdade, o problema coloca-se em geral em todas as nacionalidades.
Até aos e às que não fazem a depilação importa mais ter “pão” do que “pois então …”
:-)
Ainda hoje numa pequena incursão em novos espaços na net encontrei este pensamento igualmente poético sobre as motivações dos relacionamentos amorosos :
“Casamento entre ricos geralmente é negócio. Em tese, só pobre casa por amor. Se bem que mesmo entre os pobres, há gente que deixa de casar com uma pessoa que ganha um salário mínimo para casar com outra que ganha dois.”
César Miranda in http://www.apostos.com”
E a bem da verdade desde que vi pela última vez o “ Costa do Castelo” nunca vi ninguém trocar uma “nobre” por uma “cantiga de rua”…
Só nos filmes e da época, pois na presente nem a ninguém lembraria o argumento.
Mas Majestade, recomendo : ainda assim há que acreditar no amor. Vª Majestade então, dono de um reino, não tem “brasiu” que se lhe oponha .
Enfim, isto não correu muito bem, mas a intenção é a melhor. Em síntese, muitos usam os outros e os seus sentimentos para servir certos interesses ou apenas para brincar, mas ainda assim continua a existir quem SINTA com verdade.
Beijinhos, Majestade.
Uma semana feliz
Maria

Marreta disse...

Não é tetraneto do Bucage?

Saudações do Marreta.

Meg disse...

Pata Negra,
Por esta e muitas outras é que ainda não me atrevi a publicar o Chico Doido de Caicó...
É preciso ter uma "coisa" que não tenho, ahahahah!!!!

Um abraço ainda "meio encavacado"

Zorze disse...

Pata Negra,

Triste a sina do Chico a jogar de onze.

Acho que deves explicar aos leitores portugueses o termo brochar. Pois irá fazer confusão nas suas cabecinhas.
É algo que acontece a todos os homens.

Abraço,
Zorze

Camolas disse...

-Comprometeu-se, fod...-se!
O homem perde a tusa com o comprometimento.