quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

A minha terra natal

O Inverno pode chegar ao Verão.
O Verão pode chegar ao Natal.
Dizem que isto pode estar relacionado com alterações climáticas.
Dizem que as alterações climáticas podem ter a ver com a queima de combustíveis fósseis.
Dizem que a queima de combustíveis se deve ao consumo de energia.
Dizem que o consumo de energia tem a ver com a sociedade de consumo.
Dizem que o consumo esgota a vida da Terra.

Ora aí está o Natal, amigo do ambiente, das câmaras e famílias endividadas, dos pobres que nem factura de electricidade têm para pagar.
*Eh-lá luzes, anjinhos, meninos e trenós iluminados nas torres das igrejas, nas fachadas dos edifícios presidenciais, nos reclames dos espaços comerciais, nas varandas e chaminés!
*Eh-lá lojas de coisas que não valem nada, jantares de cabritos e cabras, discursos de provedoras de colares, de excessos de mesa com orações a recordar os que não têm!
*Eh-lá santa inocência de meninos grandes, de burros, de vacas e de árvores de plástico!
É tão bom lembrar-nos dos que não têm nada, nem que seja ao menos para sentirmos o orgulho de termos tudo!
Viva o planeta sobreaquecido com luzes a apagar e a acender! Viva a falência em abundância! Viva um menino que nasceu há dois mil anos! Viva o Pai Natal da coca-cola! Vivam os arredondamentos do benemérito azevedo! Viva o Natal!
Vivam os videntes, como eu, que advinham um bom Natal para uns e um mau Natal para outros, que já sabem que na missa do galo o padre vai dizer que o Natal deve ser todos os dias, que uns poetas de quadra vão repetir que Natal é sempre que um homem quiser, que o Sócrates vai prometer que vai haver um novo ano e o Cavaco vai dizer que está muito preocupado e que quer voltar a ser eleito para continuar a dizer que anda muito preocupado.
Ai o meu Natal! Ai o meu Natal!... é só de mim que ando desnatalizado!...

(* o "eh-lá" foi plagiado duma ode qualquer do Fernando Pessoa e continuo a gostar de recorrer a títulos que não têm nada a ver)

4 comentários:

antonio - o implume disse...

Nem tinha reparado que o título não tinha nada a ver... assim ficaste a saber que li o final.

Quanto ao Natal, deixa lá o povo ser feliz que depois o BES cobra a factura.

André D'Abô disse...

essas coisas natalinas tornam o dezembro sufocante. entre frêmitos consumistas e indigestões familiares, se passa esse mês de nulidades. assim como seguiu alguns eh-lás de pessoa, vou segui-lo a desnatalizar esses dias até o fim do ano.
abraço!

Camolas disse...

"eh-lá" natal dos lambe-botas e cães de fila que é raça que não falta neste país de encorvados.
"eh-lá Amigo maior que o pensamento"

MARIA disse...

Também detesto o Natal do consumo e dos efeitos especiais sempre a cobrar

Um beijinho amigo