quinta-feira, 26 de maio de 2011

Foi nas monumentais

Naquela idade eram a fome e o desejo que nos moviam. Aconcheguei-lhe uma orelha nos meus lábios e confessei-me. Ela não afastou o ouvido nem a orelha. O almoço na cantina tinham sido favas e eu nunca gostei de favas. Tinha fome. Trinquei. Ela afastou-se repentinamente com um ai de dor e eu, desajeitado,  fiquei com um pedaço de carne preso aos dentes que, no embaraço, acabei por engolir.

Encontrei-a passados muitos anos num daqueles almoços de antigos colegas onde se comparam cabelos brancos, barrigas e marcas de automóveis. Tentei falar-lhe mas ela continua determinada a nunca mais me ouvir e a não me falar. Ela está de não se desejar mas aquela cicatriz na orelha fica-lhe a matar.

12 comentários:

antonio - o implume disse...

Tu sempre foste de dente afiado... mas não havia necessidade.

Mar Arável disse...

Foi onde sempre foi

mesmo no tempo dos cavalos

JFrade disse...

Claro que a rapariga ficou danada. E tinha razão. Naquele momento ela esperava tudo menos que lhe comessem a orelha.
Cá para mim o Pata Negra estava nos preliminares, naquelas chupadelas e dentadinhas na orelha da menina quando, pelo canto do olho, viu a propaganda da CDU pintada nas escadas monumentais, teve um espasmo de espanto e zás, cerra os dentes e fica com um pedacito de orelha na boca, E agora? Cuspi-lo era agravar a situação. Opta por engoli-lo.
Só não sei se o espasmo e o espanto foram de regozijo ou de indignação. É que, ainda hoje, há quem defenda e quem reprove essas pinturas que se repetem sempre que há eleições.
JFrade

tulipa disse...

A PEDIDO DE ALGUNS AMIGOS
vou fazer a
1ª EXPOSIÇÃO EM LISBOA

das tais fotos da ÍNDIA
que já estiveram expostas por 5 vezes em lugares bem diferentes.

Desta vez espero a sua visita.

E, se puder divulgar aos seus amigos e conhecidos eu agradeço, porque já não vou expôr mais vez nenhuma em Lisboa.


Aproxima-se mais um grande momento na minha vida.

Será a 1ª EXPOSIÇÃO EM LISBOA

e a 1ª EXPOSIÇÃO DE 2011

Pelo espaço em si, adivinha-se algo diferente do que já foi feito até hoje.

Desta forma CONVIDO todos vós,
que me acompanham pela Blogosfera desde 2005.
Uns desse tempo e outros mais recentes,
mas cá vamos andando,
sem desistir e isso é o mais importante nesta vida dos blogues.

Quem achar que tem interesse em visitar, faça o favor de aparecer.

Prometo um atendimento personalizado da minha pessoa, como tenho feito nas anteriores exposições.

Vou estar presente no DIA DA INAUGURAÇÃO
- HOJE - sexta-feira - 27 de MAIO pelas 22 horas.

Serão 3 semanas que estará patente ao público.

Um abraço.
(peço desculpa pela minha visita rápida, mas hoje ando apenas a fazer o convite e divulgação da exposição, depois passarei com mais calma para ler e comentar)

do Zambujal (que é onde estou agora) disse...

Muito te ouviu ela. E demasiado perto.
Ainda te queixas. Isso de não gostares de favas...
Julgavas que eram favas contadas?!

Olha... tem mas é juízo! E continua a escrever.
Assim como (!) assim.

Um abraço solidário e com outras cicatrizes.

opolidor disse...

Pata

uma coisa é certa, querias comê-la e comeste mesmo.

abraço

samuel disse...

Nem só do pão viverá o homem...

Abraço.

salvoconduto disse...

A tua queda para a orelheira tramou-te, agora estás cozido, antes contasses as favas.

MARIA disse...

Está a brincar ?
Não engoliu a orelha ?
Pois não ?!...........
Para si deve ter sido bom,
já que tem ainda tão presente o sabor :)

Bom, meninas, melhor é ter sempre à mão um protector de orelhas para o caso de o almoço ser favas.

Um beijinho amigo

Maria

Fernando Samuel disse...

A confirmar que também pela orelha se pode começar - ou: no princípio era a orelha...

Um abraço.

Zé Povinho disse...

As favas não tinham acompanhamento?
Abraço do Zé

Clara disse...
Este comentário foi removido pelo autor.