sábado, 27 de outubro de 2012

Efeitos dos maus tempos

O cão apareceu morto e caiu o vaso que estava no parapeito da varanda do quarto da avó que também já morreu.
Naturalmente que por uma questão de respeito não vou revelar aqui o nome do cão nem a natureza da planta. 
Dizem que o tempo chuvoso e as temperaturas altas desta altura do ano são propícias à ocorrência de tornados mas felizmente as forças de segurança estão atentas a todas as manifestações. Era um cão de família, não era um cão polícia e a natureza da planta quedada não está relacionada com a natureza deste desabafo.
Além do cão e do vaso que tombaram, também tombam folhas, chuva, homens e mulheres. Só não tomba o governo. Às tempestades das ruas e avenidas suceder-se-á um inverno imprevisível. Nem o  professor Marcelo, nem o Mário Soares sabem o que vai acontecer! Ninguém sabe o que vai acontecer! Sabe-se  apenas que é impossível que outra revolução não aconteça!

E agora vou trabalhar para o quintal. Vou enterrar o cão e pôr a planta a secar no chão da eira. Está um dia triste e eu estou contente. Logo à tarde vamos assar umas castanhas e provar o vinho novo.


(Dedico este texto que não é um poema ou este poema que não é texto, ao comentador furtivo Crisântemo Ciclomotor com pena que o vaso não lhe tenha caído na cabeça - lembrei-me agora: para manter o anonimato o cão tem o nome fictício Dogue e era primo do Joaquim Agostinho)


18 comentários:

Pata Negra disse...

Senhor Ciclomotor, antes que o senhor venha para aqui comentar, eu antecede-mo. De facto, com estas prosas nunca irei vender um único livro. Não penso alto mas por vezes deixo ouvir a minha loucura. Esclareça-me do seguinte, a seguinte frase tem algum erro?:
"estou cozido, perdi a agulha com que costumo coser as linhas da sopa!"

M A R I A disse...

"tombam folhas, chuva, homens e mulheres. Só não tomba o governo"
Qual , Majestade ?
É preciso notar que os governos quando tombam, tombam sempre para cima de nós, daí a minha questão, pois um vaso tombado ainda é mal tolerado, agora dependendo do que engordaram os membros, da circunstância, a conjuntura de que Vossa Majestade vem falando com lonjura º-º um tombo de peso sobre uma pessoa pode actuar como um canhão, ou não ... Eu também não tenho ideias certas, mas também gosto de castanhas e adoraria provar o vinho da sua produção.


Um beijinho amigo

Crisântemo Ciclomotor disse...

Eu esclareço, Senhor Pata Negra, já lá vou. Mas primeiro peço-lhe que me esclareça o que significa o "eu antecedo-me", em que ocasião uma pessoa consegue anteceder-se a si própria? Não sei bem porquê mas isto faz-me lembrar a história do tipo que era tão rápido, tão rápido que conseguia fechar uma gaveta à chave e pôr a chave dentro da gaveta. Ou a história da pescada que antes de o ser já o era. O aquela do sacristão que... Bom, não interessa. O que interessa é a o "eu antecedo-me" do seu comentário.
Aguardo anciosamente a sua resposta.
Crisântemo Ciclomotor
(Primo da Rosa Mota)

Crisântemo Ciclomotor disse...

Agora ando com âncias! Eu, tão vigilante quanto ao bom português, também errei. No melhor pano cai a nódoa, está visto. Esquessa o anciosamente e leia ansiosamente por favor.
Crisântemo Ciclomotor
(Primo da Rosa Mota)

jrd disse...

Os tempos são mesmo de cólera. Qualquer dia mudo o nome ao blogue.
Abraço

Pata Negra disse...

Maria, estaremos atentos para que os governos não tombem para cima de nós. Quando eles caem fugimos. O pior é que, até agora nunca ninguém voltou para os enterrar e os tipos "alevantam-se" outra vez! São como as baratas!
Abri o vinho novo mas está azedo!
Um abraço e worte sempre

Pata Negra disse...

Ó senhor velocípede, o senhor não percebe nada de poesia, o poeta pode tudo, pode não só anteceder-se a si próprio e, à falta de melhor, pode até comer-se a si próprio. Ao verdadeiro poeta, tudo é possível! Ao poeta Rei dos Leittões até é possível andar de ciclomotor!
Um abraço com desejos que aumente tanto a gasolina que você não chegue aqui

Zé dos Pneus disse...

Pata Negra, este que se diz primo da Rosa Mota deve andar às arrecuas.
Mudando de assunto, as castanhas estavam boas pena foi o vinho azedar.

Olinda disse...

Mau...acontecimentos assim,em simultaneo e,inesperadamente,sao sinais ,mensagens do alêm,avisos de entidades desconhecidas,sei lâ...talvez seja,para transmitir a sua alteza,em primeira mao,que o desGoverno vai dar um trambolhao.

O Puma disse...

passos Coelho

confessou a afundação

Espero que uma vez na vida
cumpra

Crisântemo Ciclomotor disse...

Alto lá! A conversa é entre mim e o Pata Negra e o Zé dos Pneus é uma besta.
Crisântemo Ciclomotor
(Primo da Rosa Mota)

P.S1. Cheguei agora a casa depois de um jantar de marisco e vinho verde branco fresquinho e dou de caras com um escarro dum Zé qualquer que não conheço e que não me conhece. Estou com vómitos.

P.S2. Não, não paguei o jantar de hoje. Um grupo de amigos joga no euromilhões pagando cada um 1 euro por semana. Foi com o dinheiro das sobras e dos poucos prémios ganhos nos últimos dois anos e meio que o jantar foi pago. Sobraram 5 euros para o próximo jantar.

Anónimo disse...

http://panorama-c.blogspot.pt/2012/10/jornadas-para-lamentar.html

M A R I A disse...

Pois é Majestade, eu não sei se será coisa boa, mas a minha intuição diz-me fortemente e eu à falta de previsão da Maya acredito nela, que o temerário Gasparzinho, senão todo o Governo, não tragará perú de natal pelos palácios do Governo.
Oxalá me engane. Mas era de todo o interesse que todas as forças partidárias se preparassem para servir algo válido e útil como alternativa e não se adormentem porque receio muito a reação popular à aprovação do orçamento. Ou bem que o 1º Ministro opera ali uma mágica que no mínimo tenha esse efeito ilusionista ou não sei se não tombará ... francamente.


Então azedou o vinho ? Caramba!!! Uma desgraça nunca vem só. Mas reutilize para tempero. É bom.


Um beijinho sempre amigo.

O Guardião disse...

Por cá apenas chegaram umas castanhas com bicho e um vinho daquele engarrafado, mas baratucho. Por falar em ciclomotores, nem o Mota Soares caiu apesar das asneiras que anda a fazer, para mal dos nossos pecados...
Cumps

cid simoes disse...

Um texto bonito e repousante. Há quem não sinta, é natural, e é essa falta de sensibilidade que justifica o caos em que nos encontramos.

Zé Povinho disse...

Em vez de se perder tempo com veículos de duas rodas vamos mas é provar a água-pé que já deve estar no ponto com este friozito.
Abraço do Zé

Crisântemo Ciclomotor disse...

Ó Senhor Zé Povinho, eu chamo-me Ciclomotor mas tenho um desempenho melhor que a melhor moto 4 do mercado. Por isso não desdenhe.
Também alinho na água pé. Os enchidos ficam por conta do amigo Pata Negra. Eu levo pão alentejano (vou amanhã ao Alentejo). O Senhor Zé Parv, digo, Povinho pode levar um bom Whisky para a sossega. Combinado?
Crisântemo Ciclomotor
(Primo da Rosa Mota)

Crisântemo Ciclomotor disse...

Caro amigo Pata Negra, tenho andado tão ocupado a espantar umas moscas chatas que esvoçam por aí que nem tive tempo para responder convenientemente ao seu poste e ao seu comentário. Mas devo assegurar-lhe que não perderá pela demora. Atrás de tempo, tempo vem. Continue o amigo a fazer falsa poesia - sem rima e/ou sem métrica e ter-me-á à perna. Palavra de escuteiro.
Crisântemo Ciclomotor
(Primo da Rosa Mota)