terça-feira, 5 de fevereiro de 2008

Natal no Carnaval

O Fabrício é uma daquelas personagens únicas que todas as pequenas cidades de província têm e acarinham. É portador de um qualquer distúrbio mental que lhe dificulta o ganha-pão. Jovem ainda, assume-se atleta e corre as redondezas em treino permanente. Entra na barbearia, no talho, no supermercado, na repartição, contando as proezas das provas de atletismo em que participa, mas sempre a correr, como se os seus afazeres não lhe deixassem tempo para parar muito tempo em algum lado.
Por vezes permanece imóvel em lugares frequentados, põe uma caixa de sapatos à sua frente e espera que caiam algumas moedas dos peões. Fica estático numa pose que assume a sua condição, e essa autenticidade retira-lhe o grau menor de mendigo e confere ao seu gesto a dignidade de um trabalho a que tem direito. Julgo que consegue por isso, resultados suficientes para o sustento.
Neste Carnaval, o Fabrício fez uma, bem dele! Dispenso debruçar-me sobre as suas razões e convido cada um a cogitar nelas. O Fabrício andou pelas ruas vestido de Pai Natal!

18 comentários:

zerui disse...

Gostei!

Zé Povinho disse...

Ele lá terá as suas razões, quem sabe retribuir pela imagem as dádivas dos que durante todo o ano o acarinham. A nossa mente tem mistérios insondáveis, mesmo quando julgamos ser "certinhos".
Abraço do Zé

Meg disse...

Mas não está mal visto mesmo!
Porque não?
Ou será que o Natal, nos dias que correm, não é um perfeito carnaval?
Eu acho que ele não é "tolo"... sabe é demais, o Fabrício...eheheheheh

Um abraço

Marreta disse...

E o maluco é ele?...
Saudações do Marreta.

pé-de-salsa disse...

O Fabrício sabe que Natal é quando um Homem quiser.
É uma lição para muitos homens (com letra pequenina).
Alguns aparecem todos os dias na TV.
Que grande lição Fabrício.

Compadre Alentejano disse...

O maluco é aquele que nunca se engana e... raramente tem dúvidas.
O andar a comemorar o Natal pelo Carnaval, não é nada de mal, é talvez uma forma dele protestar contra o despesismo da época...
Um abraço
Compadre Alentejanp

martelo disse...

muito refinado o Fabrício...

Louise disse...

Fabrício demonstrou que é um louco lúcido e que não anda a dormir.
Belo post, muito próximo das pessoas, dos seus hábitos e representações.
Gosto.

Alberto Cardoso disse...

Ah o Fabrício! Conheci-o aqui há anos. Não quero acreditar que estajamos a falar do mesmo Fabrício? Sempre a treinar para uma qualquer prova de atletismo, é esse? Deve ser. A descrição e o nome não deixam muitas dúvidas.
Mas isto é uma pista muito importante. Se bem entendi, Sua Magestade tem o seu reino na mesma "pequena cidade do interior" onde conheci o Fabrício. Ou seja, o Reino dos Leittões fica em §»+!?£@ª*«ç%&.
HE HE HE HE HE HE HE.
Acertei?
Sei que sim!
Amanhã divulgo aqui qual é a cidade.
HE HE HE HE HE HE HE.
Alberto Cardoso

Metralhinha disse...

Maluco?
Não é o Natal um grande Carnaval?
Porque não o inverso?

joshua disse...

Ontem, o Pedro, que é uma espécie de Fabrício, abordou-me na rua. Com os seus olhos trocados e a sua vozinha virginal, ofereceu-me massagens para os pés.

Enterneceu-me tanto quanto esse teu Fabrício desenhado com a sua intuição certeira pela fantasia certa.

PALAVROSSAVSVS REX

Mocho-Real disse...

Vá lá saber-se as razões do fabrício, mas que as teve... nem duvido!

Abraço.

samuel disse...

Caríssimo Pata Negra

Pobre Fabrício!
Com esse grande talento para se fazer passar por quem não é mais a mania de correr, podia ter chagado, sei lá... a primeiro ministro...

Abraço.

samuel disse...

Queria dizer "chegado", embora chagado não soe mal...

Sniqper ® disse...

Será que não anda a fazer ainda a digestão daquele filme...
Do tal que corria que nem um louco, e acabou a contar a história com uma caixa de chocolates nos joelhos...
Hummm, talvez seja, mais uma importação via televisão...

walter disse...

Natal-Carnaval, Carnaval-Natal.
Faz sentido.

Boris disse...

Pata Negra, Pata Negra
o Fabrício é um doutor
que sabe melhor que muitos
lidar com tanto estupor.

O Natal é a vergonha
de quem quer paz e amor.
O Natal é consumismo
que alimenta a nossa dor.

Por isso no Carnaval
que se torne tudo igual
vestindo vestes de Inverno
neste país que é inferno!

Ao menos nisso é real!

MARIA disse...

O Natal chegou então ao Fabrício pelo Carnaval...
Há pessoas a quem nunca chega...
E onde terá o Fabrício arranjado a "farda" de bemfeitor?
Se calhar empregou-o São Nicolau para garantir presença na época dos saldos pós- natalinos...
:)