quinta-feira, 17 de maio de 2007

Apoio à maternidade e à paternidade

Multiplicai-vos e enchei a Terra. Crescei e multiplicai-vos.
Foi por estas e por outros que abandonei a minha vocação clerical! A seriedade com que acatava o Evangelho e as regras de obediência que a Doutrina me ditava, fizeram-me abandonar os votos de celibato e castidade!
A mancebia completou o desejo e trouxe com ela algumas interrogações:
Porque não cumpriam os padres pregadores a ordem bíblica? Porque até o próprio Cristo não deixou descendência?
Ouve o que eu digo e não olhes para o que eu faço, não era ditame suficiente para me convencer, mas acabei por compreender, conhecendo eu bem o trato que nos davam os homens dos altares, que os mesmos não teriam muito jeito para criar. Por outro lado nos tempos do Outro, o JC, deveria ser claro para os mortais, que mais umas almas no Planeta faziam falta para a evolução da espécie.
Estamos agora no século XXI e a palavra de ordem continua a ser a mesma: têm que fazer mais filhos! E pasme-se, num Planeta a abarrotar de hiper povoação, agora sim, a razão não poderia ser mais esfarrapada, hipócrita e egoísta: é preciso sustentar o sistema da Segurança Social!
Governo, após governo – este bateu no assunto há poucos dias – vem um qualquer ministro anunciar medidas de apoio à maternidade e paternidade. Só para no momento futuro e oportuno nos atirarem entre linhas:
- Nós avisámos, não bastava a cópula, era absolutamente necessário fecundar!
E vejam bem, escárnio dos escárnios, estes senhores insistem na sua preocupação social, ao mesmo tempo que anunciam a inevitabilidade do fim daquilo a que abusadoramente ousaram chamar Estado Social; ao mesmo tempo em que assassinam os direitos que trabalhadores e famílias fizeram registar em décadas de luta; ao mesmo tempo em que legislam para penalizar a mãe ou o pai que falta ao trabalho para cuidar da saúde dos seus filhos; ao mesmo tempo em que criticam o educador que obsta integrar no espaço escolar crianças com febre; ao mesmo tempo em que… tantos apoios que Abril trouxe nos estão um após outro a retirar!
Oferecem nos microfones e tiram com as duas mãos!
Prefiro ouvir as prédicas que invocam razões de humanidade do que a propaganda política do faz de conta!
Viva Jesus! Abaixo Sócrates!

3 comentários:

Kaotica disse...

Tens toda a razão. Também reparei nisso. Por um lado dizem que a população está a envelhecer e que as famílias tradicionais estão a decrescer e a deixar de ter filhos. Por outro lado lês outra notícia e (pasme-se!) dizem-nos os cientistas que afinal todos os males do aquecimento global são afinal da responsabilidade do aumento da população mundial, que cada pessoa expele durante a vida carradas de milhões de dióxido de carbono (!) Agora quanto a Cristo não ter deixado descendência ainda está para se ver, com as novas teorias que para aí andam... sei que os conventos das freiras tinham muitos abortos emparedados e isso é para mim a imagem da Igreja Católica, que me perdoem os que a professam!

João Rato disse...

Kaotica
Obrigado pela achega!

Anónimo disse...

Nem de propósito! O ministro da saúde acaba de tomar uma medida de apoio a quem tem mais filhos: a aplicação de taxas "moderadoras" a menores de 12 anos!