domingo, 13 de abril de 2008

As pessoas andam estranhas - The Doors

Se vai ler, talvez o melhor seja começar por ligar o som e ouvir a música enquanto lê.






Na sala de espera do Centro de Saúde, os rostos, as poses e as conversas entre conhecidos e desconhecidos atestam as circunstâncias; ladainhas de lamentações pontuam nas igrejas; nas filas da repartição de finanças e no atendimento não há boa disposição - um país normal.
Há dois ou três anos para cá, os rostos fechados e pesados começaram a aparecer por todo o lado, dentro dos automóveis parados no vermelho, na bicha da caixa do supermercado, no quiosque e até na praia!

Dizem que as pessoas andam estranhas por causa da crise mas eu acho que é mais pela desesperança. Há pessoas que não sorriem porque nunca sorriem, há pessoas que não sorriem assim sem mais nem menos, há pessoas que não sorriem por solidariedade pelos que não sorriem e há até pessoas que não sorriem por causa dos dentes!

As pessoas andam estranhas. Fecharam as portas.

O vocalista não aguentava tanto canto. Eu cantava uma outra para lhe aliviar as cordas. Eu até cantava bem, as pessoas é que não me apreciavam muito, não me ouviam como eu me ouvia! É um facto que, por razões de acústica, nós só conhecemos a nossa voz por meio de gravação, é verdade que por essa via eu também não gostava muito da minha voz quando me ouvia. Enfim, cantei bem mas sem sucesso!

O People are strangers - dos Doors que admirávamos até à propriedade da discografia completa em vinil - nem era uma das canções preferidas pela malta mas era um dos temas que, pela sua simplicidade, encaixava melhor nas nossas habilidades musicais e nas minhas qualidade vocais e "teclais".

Quando se inventam palavras inodoras como "teclais", quando se mistura a surda "sorumbez" das pessoas com a conjuntura, quando o nexo deixa de ter sexo, pode-se muito bem estar à beira da loucura!
- Mas quem é que me mandou pôr a escrever?! Inicialmente eu pretendia apenas ir ao fácil YouTube buscar o vídeo e transcrever o Jim Morrison em português mas, depois, lembrei-me de como os meus compatriotas andam estranhos, pus-me a inventar e envencilhar palavras e pus a nu a minha "estranhez"! Porque é que eu não começei e acabei aqui?: (- Já sei! Não é preciso corrigirem-me! Interrogação seguida de dois pontos?:)

"As pessoas são estranhas quando nós o somos, feias são as caras quando nos vemos só. Toda a mulher que nos rejeita nos parece perversa, as ruas são tortuosas quando estamos em baixo.
Quando nos sentimos estranhos, surgem-nos caras através da chuva; quando nos sentimos estranhos, ninguém se lembra do nosso nome; quando nos sentimos estranhos...."

(A negrito: o post propriamente dito. Espero que o tempo da faixa tenho coincidido com o tempo da leitura, se não coincidiu é porque houve qualquer coisa que não bateu certo!- Não bato certo?!)

21 comentários:

Metralhinha disse...

Não consegui ver os Doors. Talvez entre num próximo sábado, pois bem merecem.

As pessoas não sorriem porque os dentistas são demasiado caros mas sobretudo porque não têm motivos para sorrir.
Quando se está na merda ainda se poderá sorrir se houver esperança; mas agora nem esperança há...

Um abraço amigo (com um sorriso)

O Guardião disse...

Fiquei sorumbático, mais ainda se possível, porque acabei por não ouvir música. Sua Majestade fechou a porta aos Doors? Olhe que isso não se faz...
Bom domingo
Cumps

Kaotica disse...

Olá amigo

Ouvi dizer que hoje estivemos quase para nos encontrarmos em Leiria (se tem sido há uns dias em Setúbal!)
Aproveito para te sugerir uma visita aqui: http://escolapublica2.blogspot.com/2008/04/primeiras-reaes-ao-plenrio-debate-hoje.html

A propósito: onde é que vais estar no Sábado, dia 19? (ou, como alguém dizia: onde é que estavas no 25 de Abril?)

Um abraço com Doors!

Kaotica disse...

http://escolapublica2.blogspot.com/2008/04/primeiras-reaes-ao-plenrio-debate-hoje.html

RU2X disse...

O SIDADANIA, convida-o a participar num debate sobre os primeiros tempos na vida de um infectado pelo vírus da SIDA.
Escreva um texto , ou copie um texto publicado noutro blog e coloque-o no seu blog. Faça parte deste projecto que tem como missão ensinar e preparar as pessoas para quando uma adversidade lhes bate à porta, poderem agir sem dramas, sem traumas e sem apontar o dedo culpado, para ajudar aqueles que precisam de si naquele momento.
A solidariedade passa, por aprendermos a ajudar aqueles que precisam do nós, quando a vida lhes passou uma rasteira e estão num beco aparentemente sem saída para eles.
Lembre-se, que ninguém tem um escudo protector, e que não está isento de um dia sob a forma de SIDA , ou de outra patologia qualquer, a adversidade pode-lhe bater à porta.
É preciso estarmos preparados Participe, junte-se a nós
Um Abraço do Raul

SILÊNCIO CULPADO disse...

Pata Negra

Numa sociedade que se individualizou, que se tornou duma competitividade feroz que não olha a meios para atingir os fins, que fez do dinheiro o seu principal valor e em que os ricos e os poderosos se sustentam enfraquecendo os mais fracos; numa sociedade em que a classe média já não consegue satisfazer os seus compromissos e em que se perdeu a esperança, a solidariedade e se vive com maior insegurança e incerteza, que esperas?


Vou contar-te uma anedota.

O pai foi passear o seu menininho ao Zoo e dando a sua lição de zoologia em frente de cada espécie. Quando chegou às hienas o pai explicou: a hiena é um animal que come excrementos, o macho procura a femea uma vez por ano e que se ri muito.
Ao que o menino retrucou:
Papá se o animal só come excrementos e o macho só procura a femea uma vez por ano do que é que se ri?

Abraço não risonho

Marreta disse...

O people vive em sofrimento. Isto é um pais de sofredores forçados, ao contrário do Jim que era um sofredor por opção.
Mas o animal era capaz de ter razão quando dizia que o sofrimento só termina quando morremos.
Saudações anarco-depressivas do Marreta.

Marreta disse...

Post Scriptum: Onde se lê pais, deve lêr-se PAÍS. Não misturar uns com os outros, embora o sofrimento de uns esteja relacionado directamente com o PAÍS em oposição ao sofrimento do outro que estava directamente relacionado com PAIS.

A bem das Portas,
O Marreta.

Kaotica disse...

Não sei se este é o local apropriado para lançar o Convite a V. Majestade, mas seja como for aqui vai:

http://escolapublica2.blogspot.com/2008/04/convite-encontro-debate-de-19abril2008.html

Jorge P.G Sineiro disse...

Pois por causa da tristeza é que te enviei hoje as duas revistas.
Rir é ainda o melhor remédio, meu caro... eu não conheço um melhor, pelo menos...

Um abraço.

AJB - martelo disse...

pois, foi... acertaste! é isso mesmo, porque quando a vida não tem "piada" vem o choro...
abç

A. João Soares disse...

Gente estranha!!! Esta faz lembrar que após o m25 de Abril o Presidente doe EUA mandou cá o Kissinger e mais dois ver o que estava a passar-se. Chegados lá, reuniram-se com o Presidente para lhe darem conta do que viram.
Kissinger, com a sua capacidade de síntese, disse: aquilo náo passa de um simples problema sexual.
Como assim, perguntou o Presidente? Todo o mundo está preocupado com o Caos que por lá existe.
Kissinger confirmou: É apenas um problema sexual, os homens andam nas ruas de cabeça baixa a dizer repetidamente «isto nunca mais se levanta!»

E ainda não há sinais de se levantar!!!
Um abraçoA. João Soares

Meg disse...

O Pata, desculpa tratar-te assim, mas como não percebi nada nem do post nem me refiz ainda de alguns comentários...ahahahah!!! que me vou recolher à minha ignorância, pois, como tu dizes, o povo não anda bem.
Há coisas que não lembram ao diabo, aliás enganei-me, só lembram ao diabo...ahahahah!

Um abraço (como é?) critrante, não é?

Maria disse...

Viva Majestade:
É muito agradável esta música dos doors.
Suponho que Vª Majestade não se sinta estranho, mas se tal suceder, não creio que lhe esqueçam o real nome
:)
É um grupo de que gosto , os doors.
O meu tema preferido deles é o touch me que se encontra neste url :
http://youtube.com/watch?v=PECk9A-07Pw
E numa tradução brasuca diz assim no coro :
"Eu vou te amar
Até os céus pararem de chover
Até as estrelas caírem do céu
Pra você e eu"
Lembrei-o aqui para partilhar com os amigos que também gostam dos doors.
E já agora Majestade , depois do comentário que me antecede, o momento requer um comunicado de esclarecimento ao súbditos, não ?
Por favor, tranquilize-nos pelo menos com a ideia de que herdeiros à coroa não faltarão ...
:)
Temos que levar a gracejar a estranheza desta vida ...
Saudações a todos.
Maria

Maria disse...

Refiria-me ao comentário de João Soares...
:))))

Maria disse...

RefEria-me ...
É verdade, andamos estranhos :))))

Louise disse...

Majestade
Não quer que andemos estranhos com estas desgraceiras todas?

Abraço

Savonarola disse...

Gostei da ideia de que as pessoas andam estranhas. Pelo meu lado também noto: há uma espécie de esquizofrenia no andar, nos olhares, que até assusta. E eu julgo-me normal, mas não é verdade: ando tão estranho como as outras pessoas do meu país. O meu país transformado em paraíso de meia dúzia de pessoas.
Um abraço anarquista

paula montez disse...

DIA D: Que os professores possam decidir em plena consciência!
http://escolapublica2.blogspot.com/2008/04/dia-d-que-os-professores-possam-decidir.html

Moriae disse...

Li ao som de um tema que E-Ko tem aqui http://www.imeem.com/e-konoklasta
e foi belíssimo.

É verdade o que dizes ... É verdade o que J.M. escreveu, sentiu, passou.

E há alguma coisa que não está a bater certo ... ao que consta, os bloggers são culpados ;)

Abraço, amigo

SILÊNCIO CULPADO disse...

Pata Negra

Abraço