domingo, 6 de junho de 2010

Governo é criminoso ou tem o fecho aberto?!

Imagem daqui

Notícias Relacionadas

O governo não é o Estado. Falar do governo em abstracto favorece e iliba as criaturas que o compõem. Esta gente tem nome e a sua governação tem contornos criminosos: estão a acabar com o interior do país!

O Pintainho Sousa com os seus Sousa, Soares, Santos, Pedros, Pereiras, Augustos, Silvas, Silveiras, Teodoros, Vieiras,  Marias, Marianos, Valentes, Lacões, Mendonças, Alçada e toda a cambada, chegaram num bando de audis pretos à vila de Adantes e foram recebidos em passadeiras vermelhas protegidas do vento, por vasos de flores de plástico e com palmas de galinhas amestradas.
O mestre Pintainho falou:
- Em nome da melhoria da vossa qualidade de vida, da melhoria da qualidade dos serviços prestados, da melhoria da qualidade de acesso aos serviços, dos serviços com qualidade melhorada, da qualidade melhorada de serviços, venho anunciar-vos um conjunto de medidas que visam combater a desertificação do interior e comprovam o investimento que o governo faz na melhoria da qualidade de vida das pessoas que vivem no interior:
1º- Vamos fechar a escola
2º- Vamos fechar o hospital
3º - Vamos fechar o centro de saúde
4º- Vamos fechar o quartel
5º- Vamos fechar a esquadra
6º- Vamos fechar o cartório e o tribunal
7º- Vamos fechar as empresas e as pocilgas
9º - Vamos fazer aqui uma reserva ecológica e dar incentivos ao arranque da vinha e do olival
10º- Passará nestes campos uma auto-estrada com um nó a 20 Km daqui
10º- Quando houver disponibilidade orçamental faremos aqui um lar de idosos.

Seria criminoso que não tomassemos estas medidas. 

E as galinhas contentes bateram palmas, cortaram fitas como nas inaugurações e foram todos viver para a cidade de Adagora. A seguir veio o mestre Coelhinho e ouviram em Adagora, o mesmo discurso que o Pintainho lhe tinha lido em Adantes. Ficaram à toa mas ficaram na mesma contentes e então foram todos viver para Adalisboa.
Em Adalisboa há escolas, hospitais, quartéis, esquadras, tribunais, cartórios, pontes, transportes, empresas, empregos e, quando as pessoas querem ver a natureza, podem sempre passear pela auto-estrada e ver Adantes ao longe, a sonhar com o dia em que terão qualidade de vida para poderem irem passar os últimos dias da vida àquela vila onde, segundo ouviram dizer, existe um lar.
Entretanto, não tarda, mais Coelho, menos Pinto, em Adantes vive apenas um casal holandês e em Adagora o Presidente da Câmara queixa-se que já não tem eleitores.

O autor deste texto, residente em A-dos-Bácoros,  jura solenemente que não sabe onde fica Adantes e que o Chico Buarque nunca o convidou para tomar um café em sua casa.

14 comentários:

donatien alphonse françois disse...

Mais valia que lhe fechassem a boca!De vez...

O Guardião disse...

Os galinácios nunca primaram pela inteligência, mas enquanto pintos bicam que se fartam. Os coelhos agora já podem atravessar as estradas porque em breve a Golpe aumenta ainda mais o sumo e os popós começam a encostar, pelo menos aqueles que não são de gama alta.
Isto está pelas ruas da amargura, e eu que estou proibido de entornar uns tintóis, que pelo menos serviam para atenuar as mágoas.
Cumps bem desconsolados,porque também não fui convidado pelo Malandro da Ópera.

antonio - o implume disse...

Seria criminoso não continuarmos a votar neste centrão.

Compadre Alentejano disse...

Não há dúvidas, este é o FUTURO que o Centrão reserva para Portugal... Um interior deserficado, semeado de lares de 3ª ou 4ª idade, e um litoral a abarrotar...
Por favor, não votem neles!
Um abraço
Compadre Alentejano

GR disse...

A besta do sr. Sousa está a desertificar o país, a outra besta que virá vestida de Coelho continuará a faze-lo. Resta-nos emigrar, para Amuitolonge.
Brilhante texto., parabéns.

GR

doZambujal Daquiperto disse...

G'anda malha!
'Tás cada vez mai na mesma.
Acho o teu texto antropológico (ou é antológico?).
Galinhas p'rá capoeira, já!, e o suíno p'ró trono de Belém ('pera aí, em Belém é o trono ou é o presépio?, ou é o CNB - o qu'é isto?)

Um abração

opolidor disse...

Pata candidato
temos aqui um pequeno problema entre mãos... se cgegarem um dia à conclusão de que todas estas alterações foram erradas será tarde.
Não há é quem lhes chegue depois as mãos ao pelo...
abraço

opolidor disse...

queria escrever " chegarem" ... no sentido de lhes arreiar.

aDesenhar disse...

criminoso
.

Marreta disse...

Só faltou referir as maternidades. Parece que está programada a inauguração de 12 filiais da Alfredo da Costa no Porto e 25 filiais da maternidade Júlio Dinis em Lisboa. Para além disso, o Governo prepara-se para proibir por decreto o parto caseiro sob pena de coima no valor de 5000 euros e o não recebimento de qualquer subsídio de maternidade.
A partir de 2012 todo o território a mais de 50 quilómetros de distância da faixa litoral será considerado reserva natural e só será permitida a existência de animais selvagens de 4 patas. E porquê? Porque este Governo está a pôr em prática uma política vanguardista de protecção ambiental, preservando 95% do território nacional da poluição e dos atentados ecológicos. Pura visão estratégica de futuro! Trata-se de garantir a nossa subsistência a médio-longo prazo protegendo também a área arborizada de modo a garantir o fornecimento de oxigénio necessário. São políticas ecológicas do mais avançado que existe neste planeta.

Saudações ecológicas do Marreta.

Magnólia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
MARIA disse...

Majestade, à conta destas galinhas, quase arrranjo aqui um vendaval de penas :) ...
Texto excelente.
Crítiva mordaz e extraordinária do nosso actual momento político.

Um beijinho sempre amigo

da

Maria

salvoconduto disse...

Deram cabo da agricultura, da metalurgia, das pescas e agora estão a dar cabo do país enquanto um todo. Por este andar Portugal ficará reduzido a Lisboa e à grande lisboa e não pode lá ser muito grande porque na margem sul já é terra de camelos...

Zé Povinho disse...

Fechar por fechar, feche-se S. Bento com a trupe lá dentro e deite-se a chave ao Tejo.
Abraço do Zé