domingo, 1 de agosto de 2010

Na praia com o candidato

Portugueses e Portuguesas do sexo masculino e do sexo feminino.
Regresso mais confiante na vitória, isto apesar de não ter conseguido uma única assinatura de apoio à minha candidatura.
Imagem adulterada daqui
Há um século que este povo solarengo vem intensificando e modificando a tradição de passar férias nos areais. Assim, por esta altura de verão, meio Portugal passa boa parte do dia, em cuecas de licra ou tirilene, a fazer castelos de areia, a molhar os pés e o que cada um tem, a ler a Bola e a TV Guia, a ouvir a conversa do lado, a invejar as mamas do lado, a falar de nada ou de papo para o ar.
Dizem que vêm para ali apanhar ar e apanhar sol! Esta gente nunca apanhou azeitonas, nem túbaras, nem peixe, sacrifica-se um ano inteiro no apanha aqui, no apanha dali e a apanhar bonés para terem a sua semana de êxtase a apanhar ar e sol – por hora, das poucas coisas que ainda não pagam imposto. Sabem que na retaguarda, aqueles em quem votam e que passam o tempo a criticar, lhe estão a tratar do emprego; sabem que por incúria o país, que tanto dizem amar, está a arder e o primeiro ministro poderá estar no Uganda porque não é bombeiro mas, tal muçulmano que cumpre a sua Meca, nada é mais importante do que apanhar ar e sol na certeza que dessa faina terão muitas para contar durante todo o ano.

Percorri quilómetros de praias com uma capa na mão e um bloco A4, abordei milhares de veraneantes pedindo uma assinatura – nem uma! As mais diversas respostas, expressões, olhares, risos, amuos, ofensas, palmadinhas, esguios, ignorações. Podem imaginar!
Um tipo que estava a jogar ao jogo do galo com a sogra com conchinhas deu-me esperança:

- Bom dia! Eu sou o Pata Negra, Rei dos Leittões, candidato à Presidência da República e teria muito prazer em ter a sua assinatura como subscritor.
- Um senhor é um dromedário de duas bossas!
- Um dromedário de duas bossas?! Está a querer dizer-me que eu não existo?! E o senhor anda a papar a sua sogra!
- A papar?! O senhor está a chamar-me bebé?!

E comecei a correr praia além a caminho de Belém.

8 comentários:

salvoconduto disse...

O país está a arder? Eu que o diga quando recebi o recibo do vencimento e olhei para o IRS. Deu-me cá uns calores. Depois queixam-se que há pirómanos a mais!

Mas que ideia foi essa de ires para as praias recolher assinaturas? Eles besuntavam-te o papel todo com os protectores solares. Já experimentaste os shoppings? Há quem vá para lá passar o dia por causa do ar condicionado. Aproveita.

O Guardião disse...

Caro Pata Negra
Eu também acho que num centro comercial se arranjam assinaturas para tudo, até para a presidência, basta dizer-se que se é a favor da sua abertura 24 horas por dia.
ATENÇÃO - Não se deve pedir assinaturas ao funcionários dos espaços comerciais, porque isso pode colocar em risco a chaparia de qualquer candidato.
Cumps

MARIA disse...

Majestade,
É tudo uma questão de abordagem.
Ao abeirar-se de um português semi nu com um bloco A4 na mão, obviamente que a criatura pensará :
- Olha, quer que lhe faça o desenho ...
Politicamente falando, se me permite não é a melhor abordagem.
Tente um caderninho pequeno, básico, aonde possam ficar em destaque apenas os nomes e os dados dos assinantes e faça assim:
Aos cavalheiros, diga - dá-me a honra de guardar o seu autografo?! Demonstrando a importância que têm para Vª Majestade.
Às senhoras experimente pedir o nº de telefone ou o email, claro, claro, pelas próprias...
É que se Vossa Majestade reparar nos grandes protagonistas políticos do momento verá que cometeu um erro grave em política, designadamente ao chamar "bebé" ao eleitor - NÃO PODE DIZER A VERDADE -
Assim não há quem lhe consiga preencher a petição ...
:)

Um beijinho amigo, é bom vê-lo de volta.

Maria

do zambujal antes do zambujeiro disse...

Óh pázinho, agora a fazeres-me rir assim a esta hora da noite!!!
Inté estou com falte de ar e não são horas de ir para a praia.
E essa do jogo do galo com conchinhas é genial. Pena ser com a mão da filha.

Põe-te bom!

O Xico espera-te.

antonio - o implume disse...

Não desanimes... provavelmente também não votariam em ti. Um abraço.

Alberto Cardoso disse...

Olá Majestade.
Eu voltava lá! Ai voltava, voltava. Só que desta vez levava uma resma de papel (não sei se chegaria) e levava também 4 ou 5 simpáticos porteiros ou seguranças das bibliotecas da zona que teriam a incumbência de afastar as pernas, cruzar os braços e olhar fixamente para o ´empenhado` subscritor. Com um balancear de pernas e um grunhido de insatisfação, aposto, que o ´empenho` aumentava e lista crescia com os nomes da mulher, filhos, pais, sogros, parentes proximos e afastados, vizinhos, conhecidos, desconhecidos e até o cão, o gato e o canário assinavam...
Nestas coisas o que é preciso é usar marketing adequado a cada situação.
Infelizmente estamos num tempo em que cada candidato tem que ter a sua LPM para se safar. Mas esses gajos cobram milhões só para aconselhar a cor da gravata para ir ao lar de ceguinhos. Eu, para Sua Magestade, trabalho de graça.
Cumprimentos.
Alberto Cardoso
P.S. Eu depois explico os adereços que os tais seguranças devem exibir para optimizarem o desempenho.

opolidor disse...

Pata bem negra

em vez de ires a banhos andas armado em cartolas... depois não te queixes se as forças e o "strece" não te deixarem subir ao palácio, aquele ao lado dos pasteis...

abraço

Kássia Kiss disse...

Caro Pata Negra, os portugueses na praia não querem saber de política. Nunca ouviu falar na "silly season"? É trabalhar para o bronze, a fim de darem nas vistas na "rentrée". O resto são histórias de chacha...