terça-feira, 23 de novembro de 2010

Vai nascer esta noite à meia-noite em ponto

Vai começar  esta noite à meia-noite em ponto
numa fábrica, num comboio, numa estrada
Vai começar esta noite à meia-noite em ponto
numa escola, num hospital, num vão de escada
Vai começar esta noite à meia-noite em ponto
numa  empresa que vai ser encerrada
Vai começar esta noite à meia-noite em ponto
num país  de lama, circo e corrupção
Vai começar esta noite à meia-noite em ponto
para termos amanhã o futuro que se exige
Vai começar esta noite à meia-noite em ponto
tem na raiz a razão de dizer não
Vai começar esta noite à meia-noite em ponto
vê-la-emos depois reduzida a números
Vai começar esta noite à meia-noite em ponto
e anda já um catrefa de jornalistas ao vento
Vai começar esta noite à meia-noite em ponto
para pedirmos contas ao nosso tempo

(adaptado de Litania para o Natal de 1967, David Mourão-Ferreira)

3 comentários:

antonio - o implume disse...

Como ainda não é meia-noite, comento.

Vai começar nada. As tácticas de contorno já foram lançadas, com anos de antecedência. É possível substituir grevistas por recurso a contractos de manutenção (já em vigor), equipamento e respectivos operadores contratados por antecipação para substituir material avariado... e mais não digo, tudo dentro da mais estrita legalidade.

O Guardião disse...

Antes de entrar em greve, aqui fica o registo da minha passagem.
Cumps

opolidor disse...

Pata

afinal foram umas centenas de milhar...