segunda-feira, 7 de março de 2011

28- O Caminho do Fim da Terra

Depararam com uma terra isolada, atirada contra o mar e deprimida mas naquele dia banhada pelo sol e com luz e vida. Os prédios e as ruas apresentavam texturas marcadas pelas desmesuras dos temporais da Costa da Muerte. Jovens desempregados fumavam deprimidamente num banco à beira do mar de entrada e indicaram-lhes, rindo, um restaurante com bom peixe, junto ao cais, no outro mar que se atinge ao fim de várias ruas de permeio. Depois de satisfeitos percorreram o caminho até ao Santuário de Nossa Senhora da Barca que fica ao cabo da pequena península que separa os tais dois mares, a umas centenas de metros das casas entristecidas.

No átrio do Santuário depararam com dezenas de turistas - ou devotos! Tinha sido certa a sua opção, aquele local não reunia as condições para enquadrar com a devida mística ou poesia o fim do seu Caminho.

Informados que o serviço de albergue da cidade era proporcionado no pavilhão gimnodesportivo e porque sentiam, naquele dia, sobras de energia para andar, decidiram que, mesmo que chegassem a Finisterra já noite avançada, tinham ânimo para fazer num único dia as duas etapas.

Apesar da agrura das pessoas e das construções, Múxia tem beleza humana e deixa na memória do visitante o cais com barcos e, do lado ocidental, os belos areais da praia fria.

A saída faz-se de subida para povoações dispersas dos arrabaldes. Num sítio de três ou quatro casas, num estreito de rua que as une em família, enfrentaram entre medos e cautelas uma frente de três ou quatro cães que lhes apertaram as águas. Os cães são uma constante do Caminho, presos, soltos, vadios mas quase nunca de dar a mão, parecem enviados do demónio a assustar de temores os peregrinos. E se já haviam experimentado outros encontros caninos, este era o primeiro em que viam os dentes perto. A crer em animais amaldiçoados, tem também de se acreditar na mão do Apóstolo que, em cada curva, cuida dos amigos:
- Não faças nada, caminha e olha em frente!

Passaram a prova mas pressentiram o sinal de outros problemas. Teriam já légua feita quando deram por si a caminhar para direcção incerta, já sem norte, sem sul, sem este ou oeste, sem vivalma que se visse, casa ou trilho, com desentendimentos entre os dois, se é para aqui, para ali ou para o diabo. Quando, ao fim de uma hora, encontraram uma estrada de terra batida, deitaram moeda ao ar para decidirem entre a esquerda e a direita. Uma estrada vai sempre parar a algum lado. Mais uma hora de andamento depois, aperceberam-se que iam a andar para um cabo e, chegados ao fim, desaguaram num cabo ermo sem sinais de faroleiro ou de pescadores.
__________________________________________________

Todas as segundas feiras.
Pode(s) ler toda a história em O Caminho do Fim da Terra

3 comentários:

antonio - o implume disse...

Convenço-me que foste este peregrino. Quando organizas uma peregrinação aberta aos teus leitores?

O Guardião disse...

Uma escrita bem detalhada e presa nos factos que a memória fixa como marcos únicos.
O novo dia dará pistas de "navegação".
Cumps

MARIA disse...

É magnífica esta escrita. Excelente.
Claramente, Vossa Majestade descreve um percurso que também realizou e descreve muitíssimo bem.
Fico com muita curiosidade para saber como saiem os seus dois heróis dessa enrascada.
O que faz isso é ter tanto pé e pouca cabeça... é que só a cabeça pode atentar seguramente ao caminho.
Agora ou estão ambos sem rumo ou Vossa Majestade tem uma carta escondida debaixo da manga :)


Um beijinho

Maria