domingo, 23 de outubro de 2011

Roubar para comer não é pecado

E tinha passado só um mês; e éramos ainda putos da aldeia de cada um; e sentíamos a falta dos campos e das árvores; e nos prédios da cidade não havia fruta para roubar; e eis que me surgiu o primeiro diferendo com os padres que me queriam formar para eu ser como eles. 
Tínhamos acabado de agradecer ao Senhor o jantar e o padre de serviço estendeu mais umas palavras:
- Amigos, soube hoje que dois de vós cometeram um acto indigno de quem é temente a Deus. Espero que se redimam e que se confessem, o mais rapidamente possível, a fim de ficarem em paz com o Senhor.
- Não é nada comigo!... - pensei.
Já com a malta a sair do refeitório ouvi dum camarada :
- Está a chamar-te a ti e ao Bastos!
...
- Venham comigo!
Atravessámos a cozinha, descemos pelo elevador até à penumbra da cave, passámos pela zona das caldeiras, corremos o corredor até à garagem. O padre à frente, atrás eu e o Bastos trocando expressões interrogativas. A que prestimosa tarefa nos chamaria o padre? O passeio começou a perder graça quando nos mandou entrar no Mini. Eu sentei-me no banco traseiro e o Bastos no pendura. Eu ia de olho na mão das mudanças, sempre a topar se ela se arriscava na perninha do meu amigo, só um motivo desses, ou pior, poderia justificar tão enigmático convite nocturno a moços tão pacatos como nós.
- Sabem que os meninos que cometem actos feios devem ser castigados?

Mau! Mau! Afinal fizemos merda! Foi a merda do Gomes que bufou! Só pode ter sido isso! À medida que a coisa ia azedando ia ficando mais clara. O caso era o seguinte:

No caminho para a escola vimos estacionada uma camioneta carregada de grades de tangerinas, tirámos duas cada um e o Gomes disse que não queria. Nunca me passou pela cabeça que aquilo era “um acto indigno”, logo a mim que nasci a roubar fruta das quintas e quintais, protegido pela astúcia e pela lei de que “roubar para comer não é pecado”.
- É normal, em comunidade, se alguém rouba alguma coisa a alguém deve ser punido por isso!

A meio da Calçada do Bravo cortámos à direita. De tantos em tantos quilómetros o condutor largava uma boca do género dessa aí atrás, sem nunca se ter referido a nós os dois e sem nunca questionar o nosso silêncio ou olhar para apreciar o nosso ar acagaçado. O Bastos nunca se virou para trás mas sentia-se a comunhão de pensamentos.

A que espécie de castigo nos levava o padre justiçoso? Seria aquele o caminho para a prisão das crianças? Nem nos deixou despedir da malta! E quando os nossos pais soubessem da detenção?

Mais um corte à direita, Martinela, nunca ouvi falar em tal terra, é uma aldeia, tem uma capela, parámos.
- Hoje trago aqui uns rapazes lá do seminário para ajudar à missa.
Tremia com as galhetas, sempre à espera que caíssem no altar. Temia estar a pensar noutra coisa no momento do toque da sineta mas, ajudar à missa, era uma penitência adequada ao “acto indigno”.

No final do Santo Sacrifício algumas pessoas vieram dar umas moedas aos acólitos. Regressámos à cidade, durante o caminho não se ouviu palavra. O caso foi encerrado. Nunca mais mostrei os dentes ao padre e comecei a gostar ainda mais de tangerinas. Passados tantos anos gostava de encontrar o padre para lhe atirar à cara as crises de fígado que tenho por abusar de tangerinas.

7 comentários:

Zé Marreta disse...

Hoje era melhor atirares-lhe laranjas.

Saudações.

samuel disse...

Talvez deixar as cascas no chão... à sua passagem... :-)))

Abraço.

O Guardião disse...

As tentações da ... fruta!
Cumps

do Zambujal disse...

Bem contado!
Isto dos citrinos...

Grande abraços

salvoconduto disse...

Queres-nos convencer que os problemas de fígado que tens é das tangerinas? Vai lá vai, também eu tenho maus fígados e não ponho as culpas nas ditas.

ferroadas disse...

Ó pá a calçada do Bravo é em Leiria (será a mesma?)

Não me lixes, essas crises de fígado é dos bagaços que fazes bebes à revelia da ASAE.

Por falar em bagaço, a garrafa já se finou.

maceta disse...

pois é, andar à chinchada sem querer ir ao castigo... aprende a roubar um BPN...

abraço