sábado, 24 de dezembro de 2011

E lá vamos nós


Vamos partir. O carro já está com a carga toda: embrulhos, tachos, sacos, casacos e sem aquelas coisas que vão esquecer. Vamos para a casa fria do avô e da avó que já lá não estão. Chegados lá, há que dar a volta às coisas, limpar, retirar os pratos com veneno dos ratos, arranjar lenha, ir visitar primos e vizinhas, ir acompanhando a chegada de tios e primas. Somos muitos, mais de trinta de linha direta e seríamos mais se todos estivessem.  As famílias grandes têm destas vantagens. Violas, cavaquinhos, harmónicas, ferrinhos, canções de velho Natal, velhas cantigas, fado, Adriano, Zeca, couves, batatas, bacalhau, azeite, vinho e pouco mais e a mais, só um copinho!... Houve um ano, com a matriarca ainda viva, devota, crente e serva de Nossa Senhora do Menino Jesus, que até a Grândola se cantou ao Menino. Iremos, portanto, passar um Natal impossível. Eles nunca irão mandar no nosso Natal. Mais cristão, menos cristão mas nunca deles!
(vou já! vão dar de comer ao cão! estou só a acabar de dar de comer ao blog! tirem o carro da garagem!)
A hora improvável, faremos mais uns quilómetros para a casa do outro avô e da outra avó que também já lá não estão. Outra porra! Outra porrada de gente nossa, mais outra porrada de gente que ali cai por afinidade, uma porrada de crianças experimentando brinquedos novos, brigando, gritando, abraçando, "acolando"... e a música outra...
- Olhem que eles tocam e cantam muito bem!
A hora improvável regressaremos e, na rua fria e escura onde nasci, a pergunta inevitável acontecerá:
- Levas o carro?!...

8 comentários:

Maria disse...

Gostei das crianças 'acolando'...
Não te esqueças então de comer coelho. Mesmo que tenhas de o empurrar...
Dias e noites quentes e harmoniosas, é o que te deseja a
Maria

Compadre Alentejano disse...

Na véspera vai um bacalhau, no dia de Ntal um leitãozinho, ficando o cabrão do coelho para depois...
Os meus desejos de Bom Natal e Bom Ano Novo.
Abraço.
Compadre Alentejano

salvoconduto disse...

Essa da Grândola até que não era mal lembrado, mas a quem é eu a hei-de cantar? Catita mesmo era ir cantá-la áquele senhor que habita em Belém, aziava-lhe logo o Natal...

60 Sinais disse...

E isso é basicamente o que o Natal devia ser sempre (até a parte de dar de comer ao blog)...mas ficar por casa só com a familia mais proxima vai ser uma opção aconchegando este ano para estes lados =)
Boas festas*

MARIA disse...

:)

para a cura, uma ginginha de Óbidos :)

Beijinho amigo

Maria

do Zambujal disse...

... e trouxeste o carro?

Grande abraço para a família toda

samuel disse...

Muito bom! Assim já é realmente Natal...

Abraço.

maceta disse...

toca a encher o bandulho...

abraço