domingo, 18 de dezembro de 2011

Para acabar de vez com o Natal

Para acabar de vez com o Natal, faça-se o Natal ao fim de semana, coloquem-se portagens em todos os caminhos, subam-se os preços do bacalhau e do gasóleo, aumentem-se os impostos sobre o bolo rei e as luzes e corte-se o subsídio de Natal. Ah! E se puderem fechar uma empresa ou um centro de saúde lá no sítio, a coisa fica mais composta! É que um Natal sem desempregados ou sem doentes não tem graça! Sem pobres como podem os ricos fazer caridade para chegar ao Céu e, sem doença, como podem os santos curar os doentes?
E, para dar um ar mais deprimente, convém mudar o discurso tradicional: não se diga "feliz Natal" mas "um Natal tão feliz quanto possível" como diz o outro!
Mas faça-se o presépio: ponha-se um coelho no lugar do burro e uma gorda alemã no lugar da vaca, um cavaco com cara de zé e uma dama com ar de maria e, no lugar de Menino, um rei mago sem reino, pode ser o Gaspar.
Até os bonecos têm o seu lugar no Natal embora não percebam patavina do Natal. Eu desejo a cada um o seu Natal e desejo que cada um resguarde o seu Natal e vomite no presépio que sugiro.

Tenho 23 ovelhas - amanhã não sei porque três estão pranhas. Estão cercadas no meu casal embora à volta existam muitas propriedades ao abandono. Quando me aproximo delas, olham-me serenamente. Quando lhes deito comida, comem graciosamente. Estarei eu a fazer caridade?! Ou deveria eu cortar os arames da cerca?! Terá isto alguma coisa a ver com o Natal!? Falta-me dizer um coisa: as 23 ovelhas que eu tenho no meu casal não são minhas! Quer dizer são como as boas festas do outro: são-no tanto quanto possível!

5 comentários:

O Guardião disse...

Cá por casa não existe nenhum presépio mas o Natal é capaz de vir a ser uma ocasião tão feliz quanto possível, assim a família se consiga reunir toda.
Cumps

MARIA disse...

Grande texto, Majestade!
Pois será ainda possível o Natal ?
Motivos de solidariedade realmente não faltam, contudo esta não resolve, é pouca e tantas vezes artificial como o é hoje este"natal"...

Que seja sereno, no afago da família pelo menos.

Um beijinho amigo.

maceta disse...

Pata

estima bem as tuas ovelhas, que têm um olhar mais terno do que muitos humanos...

abraço

do Zambujal disse...

Rei no Reino do Possível?
Ou governados possivel mente!

Um abraço

Fernando Samuel disse...

Aí estão duas grandes soluções: para o Natal e para as ovelhas...


Um abraço.