sábado, 7 de julho de 2012

Como fazer uma flauta de cana



O som da flauta nascia do silêncio longínquo da escuridão dos pinheirais e crescia até aparecer junto de nós de corpo e alma. Interrompia as nossas conversas de adolescentes acerca de raparigas, de grupos de blues e rock n´roll, da existência e dos fins do universo, que preenchiam as nossas noites longas na esplanada iluminada junto à piscina ou no aconchego sombrio da mesa de pedra que estava sob a copa do carvalho grande.

O velho Xote era assim, livre e espontâneo, na data e na hora a que lhe desse na telha, partia da casa onde vivia sozinho e percorria pelos caminhos florestais sem vivalma, os sete quilómetros que separavam a sua aldeia daquela onde o filho, por casamento, vivia e onde tinha um autêntico centro recreativo e cultural, palco aberto, bar aberto, casa aberta diferente de todas as outras porque também o filho era diferente como o pai.

Sobre a pequena estatura, sentava a altivez da idade. Sobre as botas pesadas, levantava os passos pequenos mas com destino. Sob a boina queimada do sol, mostrava o olhar melodioso e vivo. Sob o bigode grisalho largava as respostas curtas e acossadas – não era um velho de contar histórias. Não se conhecia por ali velho novo como aquele. Tão jovem que nenhum jovem o tratava por você, mas por shot - ou short?! ... Ele era tão eclético! Era xote, merecidamente, porque também dava um jeito de flauta e dança, a essa música, quando o copo a mais o fazia exibir nos arraiais das redondezas e deixava de tocar canções tradicionais ou aquela do Bob Dylan de que ele também gostava muito.

Talvez a sua maior qualidade fosse a habilidade com que equilibrava as agruras da vida e a crueldade duns tantos, com as belezas do mundo e a simpatia de uns poucos.

O filho, a nora e os netos estimavam-no mas respeitavam a sua liberdade. Poderia ficar ali uma noite, uma semana fazendo companhia à família e tocando flauta para os clientes mas a qualquer momento do dia ou da noite se poderia ver partir sem dizer aqui vou eu. 

Era ele próprio que fazia as suas flautas e vendia algumas para os copos.
Num desses convívios de madrugadas espontâneas aconteceu-me tentar negociar com o Xote uma flauta.
- Quinhentos escudos!
- E aonde é que eu tenho esse dinheiro?!
- Não tens?! Amanhã aparece por aqui que eu ensino-tas a fazer!



7 comentários:

salvoconduto disse...

E fizeste? Eu tentei e a fazer fé nessa que aqui colocas percebo agora por que não lhes arrancava som de jeito, embora houvesse quem afiançasse que o problema estava no meu ouvido, duro como pedra diziam eles, faltou-me um Xote, digo eu.

Abraço.

Anónimo disse...

Esta mensagem pode conter informação confidencial e/ou protegida pela lei referente aos
direitos de propriedade intelectual. Eu sou o proprietári0 da informação contida nesta mensagem.
Esta mensagem destina-se unicamente ao conhecimento dos destinatários nela identificados.
Caso não seja o destinatário desta mensagem, agradecemos que informe de imediato o remetente e proceda à destruição da mesma.
O uso não autorizado da informação contida nesta mensagem e seus anexos é punido por lei.
Obrigado pela sua colaboração.

O Guardião disse...

Gente simples e livre = gente boa.
Cump

O Puma disse...

A malta bem sopra

mas os saCanas

ainda fazem buracos

O Crisântemo Ciclomotor disse...

ISTO É QUE É POESIA!! Com métrica, com rima e com tudo a que uma boa poesia tem direito.

*A CULPA*

A culpa é do pólen dos pinheiros
Dos juízes, padres e mineiros

Dos turistas que vagueiam nas ruas
Das 'strippers' que nunca se põem nuas

Da encefalopatia espongiforme bovina
Do Júlio de Matos, do João e da Catarina

A culpa é dos frangos que têm HN1
E dos pobres que já não têm nenhum

A culpa é das prostitutas que não pagam impostos
Que deviam ser pagos também pelos mortos

A culpa é dos reformados e desempregados
Cambada de malandros feios, excomungados,

A culpa é dos que têm uma vida sã
E da ociosa Eva que comeu a maçã.

A culpa é do Eusébio, que já não joga a bola,
E daqueles que não batem bem da tola.

A culpa é dos putos da casa Pia
Que mentem de noite e de dia.

A culpa é dos traidores que emigram
E dos patriotas que ficam e mendigam.

A culpa é do Partido Social Democrata
E de todos aqueles que usam gravata.

A culpa é do BE, do CDS, do PS e do PCP
E dos que não querem o TGV

A culpa até pode ser do urso que hiberna
*Mas não será nunca de quem governa.*

Crisântemo Ciclomotor (Primo da Rosa Mota)

Anónimo q.b. disse...

Lula discursava para dezenas de milhares de pessoas no Anhangabaú em São Paulo , quando, de repente, aparece Jesus Cristo baixando lentamente do céu.
Quando chega ao lado de Lula, lhe diz algo ao ouvido.
Então, Lula dirigindo-se à multidão diz:
-Atenção companheiros!!!
O companheiro Jesus Cristo aqui presente,querdizer algumas palavras para vocês.
Jesus pega no microfone e diz:
- Povo brasileiro, este homem que tem barba como eu,não lhes deu pão, da mesma forma que eu fiz?
O povo responde:- Siiiiiiiiiiiiiiiim!
- Não é verdade que, assim como eu multipliquei os pães e peixes para dar de comer a todos, este homem inventou o Fome Zero para que todos se pudessem alimentar?
Siiiiiiiiiiiiiiiiii! Respondeu o povão.



- Não é verdade que ele assegurou tratamento médico e remédios para os pobres, assim como eu curei os enfermos?
O povogrita:Siiiiiiiiiiiiiiiiiiii!
- Não foi traído por companheiros de partido, assim como eu fui traído por Judas?
O povo gritou ainda mais forte:Siiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiim!
Então que raio vocês estão à espera para o crucificar?!

do Zambujal disse...

Mais uma bela (e comovida ou comovente) estória de vidas simples e únicas. Como as de todos porque à simplicidade de nascer, viver, morrer, todos se resumem por mais "fulestrias" que alguns façam quando e enquanto por cá andam.

Vai uma flautada!

... e um abraço