sexta-feira, 21 de abril de 2017

Fátima - Visão ou Aparição - eis a questão!

Fátima em três tempos, três histórias.

A primeira história de Fátima desenvolve-se até meados dos anos trinta com testemunhos de gente simples, analfabeta e temente a Deus, com uns clérigos que não perdoam a República e que vêem na moda das aparições uma forma engenhosa de chamar crentes ao seu "partido" e com Lúcia, a atriz escolhida para personagem principal.

A segunda história começa a desenvolver-se quando a Igreja toma oficialmente o caso em mãos. O articulado ganha nova prosa, os livros trabalham os depoimentos e abafam os testemunhos orais e é construída a necessária Mensagem que, à moda da época, não poderia deixar de dar ênfase à ameaça da Rússia e aos males do comunismo.

Mas eis que, chegados a estes tempos que vivemos, a verdade histórica e a Mensagem construída não oferecem coerência suficiente para serem defendidas por teólogos credenciados ou por um papado que se quer credível.

Sendo assim, como explicar a vinda dos Sumos Pontífices ao Santuário de Fátima? Efetivamente , o Vaticano está bastante comprometido com as histórias de Fátima mas, se repararmos, nos últimos anos tem existido uma hábil agenda de descalçar botas. Em 2010, Bento XVI revelou, sem grande entusiasmo, o terceiro segredo, deixando incrédulos os crentes: - Afinal era só isto?!
É também neste contexto que podemos entender a vinda do inteligente papa Francisco a Fátima. Tudo parece indicar que se começa a virar o bico ao prego e que estamos a dar início à terceira história de Fátima. Daqui a cem anos não se dirá "Centenário das Aparições" mas sim "Centenário das Visões":

No livro "Fátima: Das Visões dos Pastorinhos à Visão Cristã", D. Carlos Azevedo explica por que é que no fenómeno de Fátima se deve falar de visões e não de aparições, como vulgarmente acontece.

Clique na imagem para ver "a mosca"


1 comentário:

Rogerio G. V. Pereira disse...

Na semana de 8 a 13 dedico-te a semana

Material não me falta!