quinta-feira, 18 de outubro de 2007

O 18 de Outubro

Juntaram-se mais de 200 000 almas em Lisboa, mal foi notícia. Fosse em Madrid e haveria reportagem, Prós e Prós, Miguel, Marcelo!
Juntaram-se em Lisboa 200 000 mulheres e homens e a notícia quase não o era. Por uma garraiada em Barrancos, o país inteiro teria que ouvir das boas!

Fazer que não se ouve, fazer que não se vê, fazer que não faz mal, dar ao desprezo: eis a estratégia dos técnicos do homem que tem nome de filósofo.
O homem senhor, pode trocar 200 000 votos por 200 000 empregos, pode trocar os mimos dos belmiros, pelos sacrifícios que pede a quem sempre os fez, pode até ter garantidos 40 anos de poder!
Mas não espere que lhe ofereçam outro Abril, desperdiçou o último!
Estes 200 000 são muitos mais e atrás destes vêm muitos outros que sua excelência vem multiplicando todos os dias.
Por agora, saem à rua ordenados, segundo as regras da sua, vossa democracia.
Mas virá tempo, em que perante a pobreza, a ostentação, o desprezo, a arrogância, a humilhação, perderão as estribeiras e a contenção!
O senhor começa agora o seu caminho rumo ao inevitável império do mercado. No Brasil a Revolução já começou, sem regras, incontrolável e incompreensivelmente com razões!
.
(200 000, senhores jornalistas, 200 000! 200 000 não menos importantes do que um cirurgião com HIV, do que o grupo parlamentar do psd ou do que o crédito imobilário "não sei quê"! 200 000, senhores jornalistas, 200 000!)

14 comentários:

NuNo_R disse...

Boas...
Espero que os 200.000 de hoje se lembrem deste dia nas próximas eleições legislativas quando tiverem na sua mão a caneta e a folha de voto...


abr...prof...

ruy disse...

Nunca como hoje a comunicação social esteve tão subserviente.

O Guardião disse...

E clamam os senhores jornalistas aos sete ventos a sua independência e imparcialidade (?).
Estamos a ver...
Cumps

Savonarola disse...

Excelente panorama, este, o da comunicação social. Todos os donos das televisões - sem excepção - ditaram as suas ordens para que a grande manifestação não fosse devidamente noticiada. De qualquer forma, não é por isso que ganharam a guerra.
A manifestação teve lugar, as pessoas mobilizaram-se e sente-se já no ar uma brisa de revolta. É este o caminho para os destronar!
Um abraço solidário

MARIA disse...

Eu penso que do dia de hoje se devem retirar ilações : Sócrates e o seu Governo ainda conseguem mobilizar uma estrutura que em termos de organização é funcional em sua defesa...
Não me admirava nada que a Imprensa Estrangeira e os demais Estados da UE não se tivessem convencido que Portugal saira à Rua para os visitar...
A Imprensa omitiu-se.
Mas não pode ter sido só a imprensa a faltar ...
Faltou mais qualquer coisa ...
Forças da Ordem, que bem ...!...
Feito o saldo final do dia, mais que o Sócrates, incomodei-me eu, receando que alguns dos que considero meus ali estivessem e eventualmente pudessem correr perigo, ainda que heroicamente ...
Confesso que o receio deve ter sido mais meu que do Sócrates.
Ele parece que só teve companhia de qualidade.
Mas , o dia revelou também a capacidade que o País tem de congregar esforços e posições e isso já vai preocupar Sócrates quando chegar a hora de deitar a cabeça na sua almofada de penas de ganso. Suponho ...
Bjs
Maria

quintarantino disse...

Ah... afinal, será que as pressões são só para os lado da 5 de Outubro, ou que na TVI e na SIC também as há mas por causas mais económicas? E esta? E será que não há jornais que, tendo a casa mãe sido derrotada numa OPA, não inflectiram de um lado para o outro?
E queriam o quê os amigos? Que nos ouvissem? Mas se eles àquela hora andavam a cozinhar a flexigurança e o Tratado de Lisboa, iam-se lá querer saber de nós?

Tiago R Cardoso disse...

Nem que fosse um milhão, parece que a propaganda do tratado é muito maior.

Marreta disse...

Tens razão, há-de chegar a altura em que terão que deixar de fingir que nada aconteceu, em que não poderão disfarçar mais. Por enquanto o povinho vai aguentando e vai manifestando-se pacificamente, mas pelo andar da carruagem a coisa vai piorar, e de que forma.
Com a Flexigurança tempos negros estão para chegar.
A mobilização e contestação a esta lei bárbara que representa um retrocesso de mais de 100 anos em termos laborais, é hoje mais do que nunca necessária.
Cá estaremos.
Saudações.

João Rato disse...

Nuno
Não são só 200 000, muitos só não estiveram porque não puderam. De manifestação em manifestação os números aumentam, não vale a pena virar a cara para o lado, os ventos da mudança andam na rua.
Um abraço da rua

Ruy
Eles tem a comunicação social nas mãos, nós temos as mãos dadas; eles têm a mão no bolso, nós temos a mão erguida.
Um abraço com as duas mãos

João Rato disse...

Savonarola
O poder deles depende da televisão, o nosso só depende de nós mesmos. Estamos aí!
Um abraço dos nossos

Maria
Faltou muita coisa mas houve 200 000 que não faltaram! Não vale a pena esconder, estamos fartos!
Um farto abraço

Quintarantino
Só não vê quem não tem olhos ou quem não quer ver. A Europa que se cuide!
Um abraço português

João Rato disse...

Tiago
não foi pelo tratado que os tratantes não trataram o acontecimento com o devido tratamento, houve outra notícias de muito menos importância para a vida das pessoas que tiveram muito mais destaque.
Um abraço bem tratado

Marreta
Querem apagar da história cem anos de luta por uma sociedade mais justa, terão uma sociedade em que não haverá lugar para eles!
Não temos nada a perder, eles não nos vão conseguir fazer esquecer!
Um abraço em luta

SILÊNCIO CULPADO disse...

Tenho andado muito ocupada no levanta-te contra a pobreza. Mas para ámanhã haverá um post no Silêncio sobre esta manifestação.
Abraço manifestante

Metralhinha disse...

Ainda pensei em escrever qq coisa alusiva à manif mas não tive tempo.
Teria escrito qq coisa do género de ser uma asneira estratégica; um desperdício de energia de manifestantes; facto comum em cimeiras pelo mundo fora, sp com os mesmos slogans, portanto daí nada de novo; só seria eficaz se conseguíssem provocar algum incómodo aos VIPs; coisas mais importantes estão em causa com o tratado que a crise vista como meramente conjuntural; jornalistas são burros e preguiçosos pois só conseguem processar informação em série e não em paralelo.
Mas, enfim, não escrevi...

Pata Negra disse...

Os Portugueses como é seu timbre trarão novos mundos ao mundo. Aguardemos
Mas será que eram todos comunistas, ou eram PS's, PSD's, bloquistas, etc.
Era o Povo. Viva o Povo.