quarta-feira, 17 de outubro de 2007

Pobres dos pobres

Nasci num país em que manuais e catecismos apontavam a honra e o culto da pobreza, ao bom cidadão, ao bom cristão.
Cresci na escola visitada por devotos missionários que projectavam diapositivos de continentes esfomeados. Dei comigo, em grande, numa sociedade em permanente exaltação do consumo, obcecada pelo estado de riqueza, confundindo sucesso com enriquecimento.
-Estou atarantado no meio de um trânsito infernal de formigas atarefadas e cigarras tontas.
Era bom que os pobres acabassem para eu me sentir melhor! Não sou rico nem sou pobre, posso servir para fazer o transbordo entre uma e a outra parte! ...
- Dizem-me que estou entre os 5% mais ricos do planeta. - Eh lá! E o que é que eu digo agora? E o que é que eu faço agora? Escrevo um post? É pouco! Estou a pensar? Já não é mau!
- Se ao menos me calhasse o euromilhões!...

17 comentários:

Crítica e denúncia disse...

Olá João ! Vejo seus comentários lá no Silêncio Culpado e hoje tomei a decisão de te conhecer melhor. Prazer ! Vi que tu aderises à campanha e flas aqui da pobreza. Muito bem ! Toca um grãozinho de areia para cada um de nós e logo teremos uma mntanha. Nossas palavras podem não ser nada mas podem também abrir a consciência dos poderosos. Quem tem a dar, dá o que tem. Começamos com palavras e chegaremos à um denominador comum. Visite meu cantinho. Seus comentários são sempre de alto nível. Beijo de Alda

Crítica e denúncia disse...

Olá João ! Vejo seus comentários lá no Silêncio Culpado e hoje tomei a decisão de te conhecer melhor. Prazer ! Vi que tu aderises à campanha e flas aqui da pobreza. Muito bem ! Toca um grãozinho de areia para cada um de nós e logo teremos uma mntanha. Nossas palavras podem não ser nada mas podem também abrir a consciência dos poderosos. Quem tem a dar, dá o que tem. Começamos com palavras e chegaremos à um denominador comum. Visite meu cantinho. Seus comentários são sempre de alto nível. Beijo de Alda

martelo disse...

pois é , um tipo até come um bifito e confundem-no com um lambão abastado...

Metralhinha disse...

Pegando no exemplo do Martelo, hoje posso comer um bife, enquanto outros comem caviar, e isso põe-me nos 5% de ricos, no entanto estou mais próximo de amanhã não ter que comer do que de poder comer caviar.

É que de dia para dia o fosso entre ricos e pobres alarga-se cada vez mais e os que hoje ainda têm uma vida digna, amanhã não a terão certamente.

É o pogreso.

MARIA disse...

Um dia na história anual da humanidade para falar de pobreza e apregoar generosidade e os demais dias do ano, para esquecer os rostos da fome que vão sendo cada vez mais.
Em Portugal, muitas são as famílias antes tidas como " de classe média / alta ",que para manterem o oportuno pagamento das prestações da habitação, da viatura, etc, privam-se e aos respectivos filhos de bens fundamentais, por vezes mesmo até de uma alimentação tão completa quanto seria desejável.
Outras vivem no limiar do degradante...
Apesar disto ser evidente , não vejo que em regra, nos demais dias do ano, as pessoas não procurem invariavelmente parecer o que não são, por terem ou aparentarem TER o que nas suas perspectivas , lhes preenche o SER.
É um tema a que sou demasiadamente sensível, para fazer sobre ele um discurso bonito num dia determinado do ano ...
Às favas com as palavras bonitas quando alguém passa fome. Dói-lhe o estómago com fome, como já ouvi dizer...
Prefiro , desajeitadamente, com os voluntários do Banco Alimentar Contra a Fome, estender um cobertor ao Quim que dorme sob o alçado de uma das Instituições Bancárias da cidade, quando lhe aperta o frio, ou mesmo levar-lhe a minha sopa de que todos reclamam cá em casa, mas ele sempre me agradece, a falar de fome de barriga cheia...
Peço desculpa, pelo desânimo, pois na verdade reconheço um certo valor à sensibilização pela palavra. Pena é que como o Natal, com a Pobreza, não seja sempre que o Homem quiser ...

SILÊNCIO CULPADO disse...

O que é isso Rei dos Leitões? A sonhar com o euromilhões? Estou a ficar confusa. É mesmo o Rei dos Leitões que eu conheço?
Claro que este mundo é difícil e nós somos atirados para o meio dele e ou sobrevivemos ou somos triturados. Uns ficam duros que nem uma pedra outros nem tanto. Porém há sempre alguma coisa que se pode fazer para dar continuidade e desenvolver a nossa pressão sobre uma sociedade cada vez mais injusta e egoísta.Todos não somos de mais. Agradeço a tua participação e conto contigo para continuarmos.

O Guardião disse...

Não sou rico, muito longe disso, mas tenho trabalho e saúde, o que vai chegando para viver com dignidade, sem luxos. Nestes tempos dou comigo a matutar no que seria ficar desempregado e/ou doente...
Cumps

Tiago R Cardoso disse...

Euromilhões ???
Eu já me convenci que vou ter que trabalhar a minha vida toda.

Marreta disse...

Pôe-te a pau. Se estás no meio termo entre os ricos e os pobres, pertences à classe média, aquela que neste país caminha lenta e camufladamente para a pobreza!
Eu, por mim, se calhar até estou no meio termo como tu, mas não faço nadinha para chegar a rico nem nadinha para chegar a pobre, com tudo o que de antagónico se pode deduzir...
Saudações.

quintarantino disse...

Perdoais Alteza Real, Serenísisma Majestade, não vos saiu o euromilhões e não tem nada a ver, mas penso que desculpará o atrevimento de depositar aqui as palavras que hoje deixo em comentário lá no recanto a todos os que se dão à maçada de ler e comentar o NOTAS:

Eu, brincando com o pseudónimo que resolvi adoptar, estou "atarantinado".

Comecei, indeciso, com este projecto pelo mero gozo da escrita. E porque tenho um ou outro "bichinho" a roer aqui dentro.

Circunstâncias várias levaram a que só neste meio de comunicação pudesse dar azo à veia da escrita.

Adoptei uma linha de rumo e avancei decidido. Procurando ser equidistante nas análises, mas não me inibindo de as dar.

Umas das críticas mais recorrentes que me têm feito (pelos mais variados meios) é a de que valorizo e destaco essencialmente o que de mau se faz. Especialmente na política.

Costumo responder a brincar que para destacar o bom (que também o há) os políticos têm os assessores.
Não precisam da minha ajuda.
Aliás, já por lá passei e por isso sinto-me relativamente à vontade para o dizer.

Em Agosto tive a primeira prova de que a blogosfera também é um espaço de amizade e solidariedade dado que, na minha ausência em férias, contei com a prestimosa ajuda e colaboração do Tiago R. Cardoso para me assegurar o expediente.

Recentemente, consegui convecê-lo a juntar-se a este projecto.
Almejei ainda unir a minha voz à da Silêncio Culpado.
Foi um enorme passo em frente que se deu neste projecto.

Vieram, os novos autores, enriquecer as perspectivas, as formas de escrita, de temas e de análise.
Provou-se, mais uma vez, que aqui se está mesmo ante um espaço de liberdade. De opinião, essencialmente.

Ontem atingiu-se, até ao momento presente, o ponto mais alto de participações efectivas neste blogue.

Registo esse facto com apreço. Aghradeço a cada um dos que cá vieram que o tenham feito.
Mas muito particularmente que tenham comentado.

Porque é para isso que escrevemos. Para que as pessoas reajam. Se ergam, se sintam motivadas a escrever, a dizer que sim e que não, porque entendem que deve ser desta forma e não daquela.

Não sei se iremos conseguir manter o nível maciço (pelo menos para este blogue) de comentários, mas gostaria que tal acontecesse.
Porque só assim saberemos que estamos a mexer com as consciências.

E que, apesar de tudo, as pessoas sentem que a sua opinião pode marcar a diferença. E que também a política pela política pode ser uma forma de estar, uma arte nobre, pois devia ser através dela que se edificaria um mundo melhor.

Obrigado a todos e voltem sempre. Mas, àqueles que ainda não se atreveram a comentar, aqui façam-no.
Como puderam ver ontem, aqui são todos bem recebidos.
Mesmo aqueles que venham com cantigas de escárnio e mal-dizer.
É que, para esses, e apenas me recordo de um tal Machado, há sempre resposta à altura.

Jorge Borges disse...

Caro João,
O que é lamentável é que a pobreza cresce, não só no nosso país, como também em tudo o mundo. Aumenta o fosso entre ricos e pobres por todo o planeta e aumenta a percentagem de pobres face aos ricos.
Este é o triste resultado de um sistema neoliberal que se torna cada vez mais necessário combater.
Um abraço solidário

marcox disse...

hehe, ao menos jogas?? abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Quero informar que Alda Inácio do blogue Crítica & Denúncia, do Brasil, nos propôs,em resultado da "concentração" de ontem no Notas Soltas, criar um blogue universal com um banner para os nossos blogues. Estou em contacto com ela para ver como nos articulamos. Conto contigo para este passo que penso ser de alguma importância e que poderá ser o início de outros que podemos dar. Todas as colaborações são poucas e indispensáveis por isso, se puderes, colabora com as tuas sugestões e ofertas de disponibilidade. É preferível fazermos pouco a nada e, pior ainda, ficarmos parados.Recebem-se sugestões em Silêncio Culpado.
Um abraço

isabel mendes ferreira disse...

:(((( é sempre assim e será a cada dia mais. no mundo inteiro.


e nós seremos sempre poucos para mudar o poder de muitos!



beijo.

João Rato disse...

Alda
A Palavra é uma arma. "Lutaremos com as armas que temos na mão. Venceremos a batalha da terra e do pão!"...
(Existe por cá uma canção com uma letra que é assim mais ou menos)
Já estás na minha lista de ligações!
Um abraço obrigatório

Martelo
- Mas a malta está a protestar porquê se ainda hoje almoçou?!
Um abraço de sobremesa

João Rato disse...

Metralhinha
Pois, pois! No acentuar do desequílibrio a nossa parte não vai cair para o lado dos favorecidos! Também não quero, quero ficar do lado de onde venho, é lá que me sinto bem, a lutar contra o outro lado. Os ricos que paguem a crise!
Um abraço em tempo de crise

Maria
O Natal é a altura do ano em que mais se acentuam os contrastes do tema aqui tratado. Não gosto do Natal!
Um abraço de peru

Silêncio Culpado
Nem sequer sei jogar no euromilhões, devo ter jogado prá aí uma meia dúzia de vezes. A referência na prosa é apenas circunstancial, refere-se a esse engodo com que o capitalismo alimenta falsas esperanças ao zé.
Estudei probabilidades.
Um abraço certo

Guardião
E é com esse medo que eles contam dominar-nos. Trabalhadores agradecidos e calados!
Um abraço bem empregado

João Rato disse...

Tiago Cardoso
Toda a vida e secalhar até Além. Eu já nem sei se também Deus não está do lado deles!
Um abraço do aquém

Marreta
Cair por cair prefiro cair para o lado dos pobres! Que nunca nos falte o frigorífico e o fogão!
Um abraço da classe

Quintarantino
Ora essa, eu é que agradeço o sinal de amizade que o gesto transporta.
Um abraço deste servo-rei

Jorge Borges
Até que todos os oprimidos se convençam que é no sistema neoliberal que está a razão profunda da pobreza, teremos muitas lutas para travar.
Um abraço em luta

Marcox
hehe, enganei-te, não jogo!
Um abraço à sorte

Silêncio Culpado
Contarás comigo para esse passo e para outras caminhadas.
Um abraço atento

Isabel,
a verdade é que somos muitos a lutar contra o poder de poucos!
Eles têm as armas, nós temos os números!
Um abraço de mudança