segunda-feira, 16 de julho de 2007

Lisboa a fundo em ponto morto

Porque estou de partida para o lado oposto de Lisboa; porque estou de malas para duas noites fora; porque tenho que reconhecer que ando com a caneta de cima em baixo e a de baixo em cima; porque parece que houve eleições lá para Lisboa - não vou escrever mas vou deixar leitura: recomendo este texto do Arrebenta em Vicentinas de Braganza.
Ela fala de como é que 8% de eleitores Lisboetas fazem cantar vitória.
E já agora, leiam também também o Raposa Velha do Fliscorno a propósito das excursões ao Hotel Altis.

7 comentários:

CORCUNDA disse...

Ok. Então boas noites que eu vou à leitura recomendada.
Abraço.

Watchdog disse...

Abraço e bom descanso!

Savonarola disse...

Não moro em Lisboa, mas, se morasse, também fazia já, já, as minhas malas. Que triste Verão se avizinha por lá... Pelo menos, o Costa optou - o bibaço! - por se bronzear antecipadamente eheheh.
Um abraço anarquista

Metralhinha disse...

O que me irrita nisto das eleições de Lisboa é ter o país todo de gramar com elas a toda a hora.

Irra! Já chega!
Volta Maddie, estás perdoada!

pita-cega disse...

Um cenário bem propício às clientelas partidárias. É o estilo americano a tomar conta das democracias europeias cada vez mais despersonalizadas e onde o cidadão conta cada vez menos nos destinos da comunidade.

Moriae disse...

Lisboa é belíssima em Agosto ...

João Rato disse...

corcunda, watchdog, savonarola, metralhinha, pita-cega, moriae
foram boas as férias no Gerês, não fui para as termas, fui comer bem e descansar melhor - na volta passei por Cabeceiras de Basto tirar umas dúvidas, não se fala por lá de António Costa, cheira-me que a notícia do Hotel Altis foi encenação. O jornalista, se ainda não foi feito arguido, já deve estar a aguardar uma despromoção!