quarta-feira, 25 de julho de 2007

Trabalho Infantil II

O assunto acima tratado era para ser tratado assim:

- O meu João não quer nada com a escola! Dizem-nos que é proibido ele trabalhar!
O Infante Santo, o Camões, o Galileu, o Pitágoras, o Pasteur, o Dalton, o Freud, nunca conduziram um tractor!
- Oh Joaquim mas deixe o puto tirar ao menos o nono ano para tirar a carta e saber assinar cheques!
- Vê como o Senhor Rato não percebe nada! Primeiro quando se vai tirar a carta não pedem certificado de habilitações e depois, o senhor se tem estudos e dinheiro, ainda não percebeu que os bancos são todos uns ladrões?!

Este texto acabou por não ter fim porque há uma contradição evidente entre o estatuto que se pretende para o Joaquim, pai do João, e os conhecimentos que parecia revelar relativamente a grandes homens das mais variadas áreas do saber! Mais, soletrou sem gaguejar – “certificado de habilitações”.
Definitivamente a ficção não é a minha área! Tenho que trabalhar mais com Joaquim para ver se ele assume o verdadeiro vocabulário da gente pobre e humilde e, entretanto, a próxima vez que o João vier trabalhar para mim na minha horta e no meu jardim vou ver se o convenço com a história das Novas Oportunidades. Pode ser que ele me faça um desconto nos serviços que me presta e para os quais eu não tenho definitivamente competências!

3 comentários:

Anónimo disse...

Já agora fica uma sugestão : ao invés da história das " novas oportunidades " , porque não ensinar a criancinha a ler ?
Qualquer coisa mais pedagógica que um Jornal, digo eu ...

João Rato disse...

"novas oportunidades" é apenas um exercício de propaganda puramente política! Por cá, nada de novo! Ler?! Quanto menos souberem ler melhor! Ai de quem não lhes passe o diploma! Quanto mais ignorantes, melhor para a sobrevivência do regime!

Anónimo disse...

:)