segunda-feira, 1 de outubro de 2007

Outono (maus tempos)

É o Outono...
tombam as folhas, os bêbados, os soldados...
e o caruncho rompe impiedoso os lábios da poesia

funerais parados na beira da estrada
palavras doentes perecem no leito

um carro chegando com as primeiras chuvas
à quinta do Tio do Vale das Promessas...
os sinos dobrando os lençóis assinados
a um canto da alma
pela último período que a avó experimentou...
e o cão desapareceu...

nova estação... mau tempo
não haverá sol
porque haverá ausência
não haverá voz
porque o canto no silêncio é desrespeito
e se os mortos permanecem vivos na nossa memória
não haverá mortos nem vivos
haverá Outono

(depois, as varredeiras apanham as folhas secas
para as esquecer)

16 comentários:

SILÊNCIO CULPADO disse...

O Outono traz melancolia mas, e apesar de tudo, não estou assim tão pessimista. Estou com aquela filosofia oriental que diz que quando uma coisa está muito má só pode melhorar. Ora eu penso que este país terá que melhorar já que não pára de piorar. Mas não acredito que a mudança se faça através dos actuais partidos do poder dadas as vicissitudes e ramificações de que enfermam e beneficiam. A mudança deverá processar-se pelas pressões externas de movimentos sociais e de cidadãos em torno de objectivos específicos e por uma maior consciência colectiva em torno de problemas concretos.

Zé Povinho disse...

A melancolia do Outono e o cinzentismo que nos assola. Segue-se o Inverno, a par das provações que nos vão sendo impostas.
Um dia, virá a Primavera, é inevitável, e surgirá a esperança, a claridade, e uma nova vida, por muito que façam aqueles que o não desejam.
Abraço do Zé

MARIA disse...

O Outuno também se referencia por uma palete de cores muito própria, e nesse sentido especial, porque singular.
Entre essas cores, algumas, são apesar de tudo, ainda cores quentes...
Em todo o caso no Outuno também se encontra na Natureza o Verde-Esperança...
Regenera-se no Inverno, para renascer claridade, com a Primavera...
E é sempre assim... ciclicamente.
Um bj
Maria

Quintarantino disse...

Mas fora do Outono
continuam teimosamente
tombando bêbados,
soldados, corações,
pessoas morrendo,
funerais encravados
no meio do trânsito infernal,
e o raio das varredoras
persistem em só levar
parte do lixo,
deixando as ruas
meias limpas
ou meias sózinhas,
dependendo de se estar
no poder ou na oposição...

NÓMADA disse...

Estamos no Outono mas o nosso espaço na blogosfera está florescendo, frutificando e há-de contribuir para a mudança.

NINHO DE CUCO disse...

No dia em que não te visito não é dia. São belas e oportunas as tuas reflexões com um humor ao mesmo tempo crítico e ao mesmo tempo contido. São com pessoas como tu que se constroem os mundos que eu procuro.
Um braço outonal

Moriae disse...

Ainda há imenso sol! Só hoje é que choveu.
E enerva saber que o Homem é culpado pelas mudanças climatéricas e pela astenia depressiva onde "bambula" (pelo menos a malta do rectângulo ...)
Abraço, J.R.

Odysseus disse...

muito poético por estas bandas, todas as estações tem a sua beleza, um verão de 45 graus não é nada agradável, digo-te já.

João Rato disse...

silêncio culpado
mas temo que ajudar a varrer as folhas

zé povinho
pois, o pior é que a seguir ainda vem o inverno e eu ainda não acredito no Natal

maria
valham-nos os ciclos:
da história, do tempo, da vida... os ciclos, e os ciclomotores para nos deslocarmos de estado em estado de espírito

quintarantino
assim é que eu gosto, quando o comentário se torna em post II.
Temos que falar com os gajos do Blogger para eles arranjarem uma forma dos comentários integrarem o próprio post.

João Rato disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João Rato disse...

nómada
florescemos até no escuro

ninho de cuco
fico contente que estejas a par do estado de tempo por aqui. Um café sabe bem em qualquer estação, em qualquer dia, em qualquer hora (esqueçamos essa bebida artificial que é o martini!)

João Rato disse...

moriae
dependo muito do tempo:
um dia de sol, um dia de chuva, um dia de vento... e é ver o meu "interiormente" a "transmorfar-se". Dependo mesmo muito do estado do tempo! Se amanhã estiver sol a divagação sairá com outra... como é que se diz? - O melhor é não dizer nada!

odysseus
45 graus? Eles tinham anunciado! Mas o nosso estimado líder até disso nos livrou! Viva o governo, o primeiro ministro, os secretários, as secretárias, os assessores, os militantes socialistas e todo o resto da corja que nos dá sombra!

martelo disse...

há sempre vida depois dos outonos que se repetem

SILÊNCIO CULPADO disse...

Vim dar uma volta no Outono e ver se já está na altura de varrer as folhas. Mas não. Ainda parece demorar.

Metralhinha disse...

O Outono é a época dos cogumelos, desses bolores que vivem da decrepitude e da podridão da natureza. Talvez também seja por isso que a rentrée política se dê no Outono.

João Rato disse...

martelo
são quatro as estações, estamos a viver o outono.
Abraço

silêncio culpado
já tenho calos do cabo da vassoura, fogueiras, a lei só permite a partir do dia 15.
Abraço

metralhinha
é o tempo deles, são eles que anunciam o inverno.
abraço