sexta-feira, 9 de novembro de 2007

Leitão à sexta

Cá se vai andando com a cabeça entre as orelhas

12 comentários:

SILÊNCIO CULPADO disse...

Pois mas o que é preciso é que as orelhas não sirvam só para estarem de lado da cabeça.

quintarantino disse...

Ao caso vertente, Sérgio Godinho sabia do que falava...

Marreta disse...

Um reco mutante?

O Guardião disse...

O que é preciso é ir andando...
Cumps

Tiago R Cardoso disse...

É a vida...

Flávio Josefo disse...

Os olhos vêem em frente! E para a frente é o caminho.

Maria, Flor de Lotus disse...

É a cabeça que permanece ao centro. Porque com as orelhas podemos escutar, mas só com a cabeça devemos julgar.
E tudo o que escutamos deve passar pelo centro racional da nossa cabeça que ajuiza em ponderação com o que sente o coração.
Mas ao jeito da Maria, permita-me uma graça inevitável : a imagem deste leitão é certamente a mais ternurenta e deliciosa que já postou. Esteticamente está tão bem conseguida que não se resiste à tentação - não sei se as orelhas servem ao leitão qualquer outro fim possível que não o da sua audição . Agora a nós, bem , a nós, é fácil descortinar quantas coisas todas agradáveis e deliciosas umas orelhinhas de leitão tão apetitosas nos permitiriam fazer.
Por isso , antes que alguém as queira " al dente" sugiro que as esconda em local seguro.
É que uma orelhinhas de leitão como as postadas são mesmo uma tentação...
:)))

SILÊNCIO CULPADO disse...

Oh Majestade quer matar o seu povo com leitão? Há 3 dias que não como outra coisa!...

Jorge Borges disse...

Às vezes, mais vale tapar as orelhas para não ouvir tanta mentira politiqueira: é uma forma de repousar um bocado a cabeça.
Abraço solidário

SILÊNCIO CULPADO disse...

Leitão outra vez? Já estou com dor de barriga!

martelo disse...

desde que as orelhas não sirvam de tapa-olhos...

Anónimo disse...

Magestade, peço desculpa, mas este seu súbdito parece não estar muito feliz. Se não conhecesse Sua Magestade até poderia supor que, num ímpeto demagógico, prometeu ao seu povo não aumentar os impostos, criar muitos milhares de postos de trabalho, melhorar a qualidade de vida de todos,blá blá blá ... e, depois, fez tudo ao contrário. Poderá Sua Magestade não acreditar mas há pessoas assim. Que para atingir os fins não olham a meios. Que mentem, prometem mundos e fundos, para atingir os seus objectivos, sabendo antecipadamente que nunca irão cumprir o que prometem porque não é essa a sua vontade nem a de quem neles manda. Parece impossível mas é verdade, Magestade, é verdade há gente assim. São um nojo, mas ainda há. Até um dia ...
As minhas saudações.