quinta-feira, 2 de julho de 2009

Demissão incompreensível


Não percebo. Finalmente um ministro revela o seu lado autêntico de português do povo e zás, é logo cilindrado pela moral dum parlamento mal caiado que sempre escondeu o que se passa por baixo das suas bancadas. Uma simples distracção, um gesto tão vulgar como um coçar de partes ou um popular manguito que toda a gente faz, uma objectiva traiçoeira, qual telemóvel de uma sala de aula, e zás - demissão!

O ministro da economia já fez coisas bem mais graves durante o seu mandato. Alguns dos seus colegas de governo, senão todos, já cometeram autênticos crimes contra o povo e contra o país e nunca houve demissões.
Os mesmos técnicos, que terminaram o serviço a Obama e estão agora a ensinar o Sócrates a posicionar os dentes, a arrumar as mãos e a desenhar os gestos, com certeza que terão dado também aos seus ministros, pelo menos um desdobrável com recomendações elementares como: não enfie o dedo no nariz, não arranhe no cu, cuidado com o dedo médio... Mas Manuel Pinho distraiu-se um momento, foi ele próprio, esqueceu-se que era um apêndice de pinóquio e zás – o país por uns dias até se vai esquecer do ordenado do Ronaldo!
Num parlamento verdadeiramente representante da alma popular seria de esperar que o atingido respondesse simulando o enfiar do barrete e fincasse as mãos nas ancas em desafio. Mas não, toda a gente de acordo, colegas de governo, deputados, colunistas, comentadores, taxistas: o Pinho por ter posto dois dedos na testa deixou de ter condições para continuar e, entretanto, deixa-se ir a economia do país pela teixeira abaixo! E pasme-se – impensável há um mês atrás - Sócrates pediu desculpa! Sócrates terá desculpas a pedir mas pelos seus próprios actos, não por chifradas de outras cabeças. Se quer provar a sua humildade, demita o governo em bloco até às eleições, o povo continuaria a cumprir a sua sina acenando com os gestos do seu quotidiano.
Solidariedade com Manuel Pinho - grupo de forcados amador da corte dos leittões

(Nota: sabem os fiéis súbditos que é regra da corte não abordar a actualidade. Desta vez, apenas o fiz porque reparei que a blogosfera está a ignorar o acontecimento)

10 comentários:

MARIA disse...

Eu também não percebi nada .
Ninguém apanhou e isso sim era Serviço, o gesto foi executado com boa performance, com simetria, mestria, diria mais, parecia de experiência feito.
Cada qual enfeita o rosto como pode e aquele bailar de dedos sobre a cabeça é muito inspirador...
Olé!

Um beijinho, Majestade.
Prometo da próxima vez comentar com mais tutano e menos osso :-)

MARIA disse...

Com efeito, agora a sério, este Governo tinha tanto de que desculpar que isto não passa de uma bizarria bem aproveitada, diga-se, por JS.
Para mim apenas " um ministro no decurso de um ataque de nervos"...

recalcitrante exp disse...

Caro Pata Negra,

Para terminar a temporada esta sessão de hoje no Parlamento foi um manjar dos deuses, aliás, dos demónios.
Mais uma vez a realidade envergonhou a ficção mais arrojada.
Quão longe chegaram... só faltou mesmo uma cena de pugilato... mas por este andar, para lá caminhamos.

Que espectáculo!

Um abraço

salvoconduto disse...

Dizes tu "por ter posto dois dedos na testa", como, se ele não tem dois dedos de testa?

Pipoca disse...

Atente-se à imagem... os dedos não estão exactamente na testa... (?)

Marreta disse...

Estou copmpletamente solidário com o Pinho. Se tivesse que ser demitido ou demitir-se devia tê-lo sido por razões ´de administração das sua políticas e nunca por uns meros chifres. Todos os outros deputados são uns recalcados! Quantas vezes não lhes deve ter apetecido mandar os outros para a puta que os pariu, fazer um manguito, ou simp+lesmente tirar um macaco do nariz, fazer uma bolinha e atirá-lo a alguém?
Esta gente (jornalistas, comentadores, etc) é tudo gente que não percebe o significado das tradições e da mais enraizada e profunda coltura popular.

Saudações cornudas do Marreta.

antonio - o implume disse...

Meu caro. Existem regras que são sagradas, que nos estão na alma. Nubca se investe a partir nos curros!

Para investir salta-se para o meio da arena! Existem tradições que não podem ser comprometidas!

Anónimo disse...

Saberá o Pinho alguma ´coisita` da vida privada do Bernardino que outros não saibam? Ora pensem...

BOGA E AXIGÃ disse...

Solidariedade muito a propósito, mais uma vez foram os comunistas os culpados disto tudo, então não é que o Bernardino pergunta nos bastidores ao Pinho " o que é que a mulher lhe havia oferecido no aniversário?" e o Pinho solícito responde exemplificando.

lili canecas disse...

Mais uma tourada à portuguesa.
Só forcados e cavaleiros.
Viva o grupo de forcados amador da corte.