quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Só fumo Porto



Naquele ano, toda a turma começou a gostar de Física e Química, todos os alunos começaram a ter bons resultados e olhem que não era por favor, a malta aprendia mesmo. Um professor, como sempre houve muitos: calmo, motivador, inesquecível - um Professor.

Ficámos chocados com a notícia de que o irmão Diamantino fora nomeado provincial dos Maristas e que, por tal motivo, iria deixar de ser nosso professor. Como uma das imagens do distinto mestre era o cigarro na mão, decidimos oferecer-lhe um cinzeiro e um Porto. Desembrulhado o presente, o felizardo sacou do maço e subiu as escadas do auditório distribuindo e acendendo um cigarro a um por um. Gesto bonito. Regressou ao estrado e deu solenidade ao momento com duas ou três palavras.

Olha se fosse hoje? Seria notícia nos telejornais, seria linchado nas redes sociais e apanharia um processo tal que nunca mais voltaria a ser nem bom nem mau professor.

Vivemos tempos melhores; será melhor assim; talvez não se poder fumar no jardim seja exagero; o sal e o tabaco fazem mal; comida saborosa e cigarros suaves sabem bem; vivemos satisfeitos por podermos fazer coisas que dantes nem pensar; morremos de saudade de não poder reviver coisas que já nem ao diabo lembra; lembrou-me a mim; também por esse gesto continuo a admirar o professor irmão Diamantino; mudam-se os tempos e Camões não muda; já não sei se hei-de ir escrever um poema para o quarto ou hei-de ir fumar um cigarro para a varanda; cigarros amargos nunca deram bons versos; é preferível ficar pela física e pela química...

9 comentários:

O Puma disse...

,,, entretanto o meu neto festejou o Carnaval no Jardim Zoológico

Maria disse...

Mas não tinha deixado de fumar, Majestade ?
Ai...ai...

Manuel Veiga disse...

fumas com moderação, certamente
cinco seguidos faz mal aos nervos.

Zambujal disse...

Muito bom. Uso um termo inhabitual: comovente!
Bibó Porto (eu que sou lagarto...).
Forte abraço

Zé Povinho disse...

Num país, e num mundo, onde o politicamente correcto parece dominar, sinto-me reprimido e atado na minha acção, e eis que me borrifo para os outros e me torno no gajo inconveniente para as chefias. Tá-se bem, já estou calejado...
Abraço do Zé

Destruidor de Mitos disse...

Blog Diferente

maceta disse...

Rei Pata,
o outro deixou de fumar, de comer toicinho, de f... e, entretanto, foi-se.

abraço

Zé Povinho disse...

Feliz Aniversário e muita saúde.
Abraço do Zé

Rosa Brava disse...

Será melhor escrever um poema... até porque nunca fumei por isso, não aprecio o fumo. Já poesia... :)