quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Quarto 16

(Se não leu o Quarto 1, o Quarto 2, o Quarto 3, o Quarto 4, o Quarto 5, o Quarto 6, o Quarto7, o Quarto 8, o Quarto 9, o Quarto 10, o Quarto 11, o Quarto 12, o Quarto 13, o Quarto 14, o Quarto 15 este quarto não faz sentido)

Nos dias seguintes às lágrimas de Tânia as coisas ficaram pretas. Nos momentos em que a casa ficava só dos dois eu fazia as minhas tentativas mas as suas reacções eram de tal ordem que comecei a temê-las e a acanhar-me. Aparte essas abordagens, Tânia falava-me normalmente como se nunca tivesse existido nada entre nós. Podíamos ir juntos ao café, buscar a Dorinha à ama e até dançar na sala merenge ou rock n’roll!...
Tudo isto atormentava ainda mais o meu estado de paixão e o pior é que me ia auto-convencendo que com ela não acontecia o mesmo.

Entrementes, meteram-se umas férias no meio. Quando regressei e entrei na sala pousei o saco. Estavam apenas as duas irmãs. Tânia levantou-se de imediato, colocou os seus antebraços nos meus ombros, enchendo o meu pescoço de alegria, pousou-me um beijo em cada face e disse infantilmente, saltitando e exultando de alegria:
- Cabitche, já tenho um namorado!...
De imediato a mana Gina, que nem se levantara para me honrar e permanecia a olhar a televisão, imitou com voz ridicularizante:
- Cabitche, já tenho um namorado!....
- Tu também Ginita!? Quem é o teu? - Indaguei eu, fingindo ignorar o tom de gozo e mastigando o contentamento de que Tânia, durante a minha ausência, me sentira a falta e me assumia agora no regresso.
- O meu amor és tu meu mano branco! - Disse Gina caminhando em direcção a mim para me abraçar e me conceder um tardio mas poderoso beijo no canto da boca, como quem diz ”assim não é beijo no cesto nem de incesto, é de amiga íntima!...”
O sorriso macaco com que Tânia acompanhou o dito beijo e a intervenção da irmã deixou-me um pé atrás.
- Então não sabes? O namorado da Tânia é o Carlitos!!!
Senti a força a faltar-me nas pernas, sentei-me à mesa e as duas acompanharam-me sentando-se também. Seria normal pormos as cartas na mesa, contarmos coisas das férias e coisa e tal e foi isso que fizemos durante meia hora. As trocas de palavras e olhares entre mim e a minha recém confirmada “ex” atiravam-me para o estado de vencido. Para exibir ainda mais a sua superioridade, topando os meus suores e sem que eu pedisse, foi ao frigorífico buscar uma Sagres e despejou-a num copo que pousou à minha frente.
Quando me encontrei só, no quarto, a arrumar as coisas, comecei a pensar no Carlitos: bom rapazito, pacato e simples, viera da Beira-Alta para servir no restaurante cervejaria em que Dona Graça trabalhava. Conhecia-o bem das conversas e das borlas que nos dava na esplanada, já várias vezes tinha passado serões e até festas na casa da colega. Sempre pensei, se mais não fosse pela idade, que poderia vir a dar um belo par com Gina! Agora com Tânia?!... A sua figura trinca-espinhas não emparelhava nada com a imponência de minha menina! Mas recordando bem, quando dançava com ela, a cabecita do beirãozito quase se afogava, aconchegada entre os peitos esculpidos que acabou por me roubar! O malandreco!... Enfeitou-me bem a vida, enfeitou!...
(Na próxima quarta há mais Quarto)

18 comentários:

lili canecas disse...

Bem me parecia! Tinha de haver um Carlitos escondido.
E dá Deus nozes a quem não tem dentes.
Nessa altura, V. Alteza, ainda não era Rei. Se fosse hoje outro galo cantaria.
Até p'ra semana, Alteza Real.

antonio - o implume disse...

Oh! Tadinho. Eu ainda espero por um final feliz.

Compadre Alentejano disse...

E a Tânia escapuliu-se...
É a vida!
Um abraço
Compadre Alentejano

Zé Povinho disse...

Um no galo no pedaço... e agora, majestade?
Abraço condoído do Zé

Jorge P.G disse...

Caraças, pá, que nunca mais passo da sala!

Olha, a cena do rapaz a dançar com acabeça afagada entre os marmelos da pequena, lembrou-me os velhos bailaricos da aldeia onde por vezes passava uns dias de verão.
Pois lá havia, como em todas as aldeia, um jovem mocetão meio-atrasado - uma besta de carga que acarretava várias malas ao mesmo tempo pelo monte acima - que dançava com a Marquinhas com o dedo enterrado no fundo das costas da mulher. Era o Zé Pataroco, mas que de parvo nada tinha!

Um abraço e desculpa a invasão deste teu quarto.

Tiago R Cardoso disse...

Ficou complicado, uma enorme surpresa desagradável no mínimo.

também eu aguardo por um final feliz.

SILÊNCIO CULPADO disse...

Pata Negra
Pois, é o que dá as indefinições entre mãe e filha e mais e mais.
Abraço encornado

O Guardião disse...

Quem vai ao mar, perde o lugar.
Cumps

Meg disse...

A ler os Quartos em fascículos nunca mais te apanho.
Vou acelerar.
Quanto ao enfezadito, olha...safou-se com a Tânia.
Paciência, amigo, acontece a muita gente boa.

Um abraço

salvoconduto disse...

Essa tua mania de te alambazar, dá nestas coisas, mas carago, não me digas que não és homem para apertar o pescoço ao Carlitos e lhe dizeres baixinho ao ouvido para basar!

Tás a ver a falta que te faz o Virgolino? Esse era capaz de afastar rapidamente o Carlitos.

É que ainda por cima Carlitos não é nome de home!

polidor disse...

não se pode confiar numa mulher e tanto faz a cor...

MARIA disse...

Majestade, Majestade ...
Não seja tão dramático. Afinal Vª Majestade não partilhava a mãe, a Tânia e ... a tânia ?!?...
Então, porque não pode a Tânia partilhar Vª Majestade e o Carlitos?
Ora, deve ser o sonho de qualquer mulher que queira amar à grande, à homem, partilhar na mesma cama o Rei e o Povo.
Em homenagem ao Povo de que Vª Majestade é Rei fique com este :

http://www.youtube.com/watch?v=TdEbFqAHZ9A

Um beijinho único Majestade :-)

Maria

Marreta disse...

Agora fiquei ansioso por mais uma divisão da herdade. Quero saber como é que envenenaste o trinca-espinhas...
Saudações do Marreta.

joshua disse...

Deixa lá. Não és o único enfeitado. Deus me livre de essa má-hora!

É com os galhos que o Alce luta por mais e melhores fêmeas. Quando mais galhoso for, mais elas e em maior número se espojam na urina e no almíscar irresistível deles. Vi isto no National Geographic Society e não poderia colar-se melhor a este Quartilho de Cerveja Espumosa, escarninha à tua frente.

PALAVROSSAVRVS REX

AnA disse...

Eu estou é a ver qdo é q o protagonista acorda e vê q tudo não passou de um sonho ;-)

Fernando Samuel disse...

Olha o Carlitos, hein!...
Escondido durante 15 quartos e de repente aparece e...


Um abraço.

MARIA disse...

Deixa lá Majestade, palpita-me que esse Carlitos nunca valerá uma das lágrimas que a Tânia lhe revelou ter vertido por si.

Convenhamos que seria muito complicado voltar a ver próximos o namorado e a mãe. A moça por certo até sentia "trair" a própria, ou a não sentir, não pensaria grande coisa da grande filha que era para a mãe que tinha ... :)

E explicar à mãe que lhe "caçou" o letrista ?!...

Muito complicado ...
FOI MAU, isso foi desastre, mas pronto, vamos em frente, não há nada que o tempo não cure e a Tânia continuará próxima à mão da sua força de vontade e determinação para desembrulhar esse "embrulho" :)


Um beijinho sempre amigo

Maria

Zé Povinho disse...

As venturas e desventuras de sua majestade...
Abraço do Zé